sábado, maio 31, 2008

Vai bonito o insulto no PSD

.

Ouvi hoje na televisão, mas não consegui encontrar o registo vídeo destas declarações, por isso reproduzo-as como vêm noticiadas pela Lusa:

Lisboa, 31 Maio (Lusa) - O presidente demissionário do PSD, Luís Filipe Menezes, criticou hoje a "canalha" que lhe fez "a vida negra" e que "não tem carácter", lançando um duro ataque a Pacheco Pereira, apoiante de Manuel Ferreira Leite.
"Vou mostrar logo à noite [quando forem conhecidos os resultados] como sou diferente dessa canalha que me fez a vida negra, que não tem carácter", disse, adiantando que o grupo a que se referia inclui "pessoas como aquele senhor de barbas que participa na Quadratura do Círculo", numa alusão a Pacheco Pereira, apoiante de Manuela Ferreira Leite e um dos mais ferozes críticos da presidência do autarca de Gaia.
Questionado pelos jornalistas hoje de manhã em Gaia após votar nas directas do PSD, Menezes afirmou que respeitará "os resultados [das directas] sejam eles quais forem".
A propósito, criticou os "tristes, infelizes e barbaramente obcecados" que quando foi ele eleito para a presidência do partido não tiveram a mesma atitude.
"Não pertenço a essa laia", salientou.”

Que eu, um simples mortal, chame canalha a alguém, e há uns que bem merecem, vá que não vá. Mesmo assim, que eu me recorde, não utilizei ainda esta “bonita expressão” na net. Que o Sr. Filipe Menezes chame canalha ao Pacheco Pereira, com todas as letras e em canal aberto, é um espanto. Assim vai este PSD, que em tempos pretendeu ser comandado por dois miríficos políticos nacionais, os Srs. Sá Carneiro e Cavaco Silva.

We are the world

.






Ontem um amigo enviou-me este video da célebre gravação que eu não ouvia há anos e que, no fim dos anos oitenta, pela constante repetição quase se tornou insuportavel. Agora achei empolgante.



sexta-feira, maio 30, 2008

O sexo dos anjos



.
.
.
.
.
Continuamos a ver a crise dos combustíveis tratada por gente responsável como se fosse mais um fait divers. Se, pelo contrário, se trata de uma ameaça séria à mobilidade tal como a conhecemos então estamos perante uma ameaça letal à nossa civilização.
São muito famosos os sistemas de abastecimento de água às povoações desenvolvidos durante o Império Romano. Uma marca civilizacional que só foi recuperada e retomada, na Europa, vários séculos depois. Estaremos nós, com a crise dos combustíveis, perante um fenómeno ainda mais grave ?
Em 2007 todos os dias entraram em circulação, só na China, 13.000 automóveis.
Cada vez que entra em circulação mais um automóvel num país emergente as nossas hipóteses de continuar a circular livremente, como costumavamos fazer, reduzem-se mais um pouco.
Será esta a forma actual da "invasão dos bárbaros" ?
Não quero ofender os chineses mas apenas estabelecer um paralelo com a derrocada do Império Romano e com o hiato civilizacional que se lhe seguiu.
Calculo que em Roma também se discutia o orçamento enquanto os bárbaros se acercavam das muralhas, como em Bizâncio se discutiu depois o sexo dos anjos.

EU NÃO VOU

.


Julgo que os protestos deviam também ser contra os impostos elevadíssimos e o que eles representam. Ainda assim penso que este movimento colectivo, independentemente dos resultados, é um bom exercício.

Sessão festa no Teatro da Trindade promovida pela esquerda plural


Vai realizar-se 3º-feira, dia 3 de Junho, às 21h30, no Teatro da Trindade, em Lisboa, uma festa sessão, em que serão oradores Manuel Alegre, Isabel Allegro, professora universitária e antiga colaboradora de Maria de Lourdes Pintasilgo, e o deputado bloquista José Soeiro.

A festa terá como tema Aqui e Agora, 1974-2008 Abril e Maio. Apesar do lema da convocatória falar Contra o pensamento único, a injustiça e a desigualdade a sua mobilização está a ser feita na base de um Apelo subscrito por 85 personalidades, de algumas importantes correntes de esquerda: Manuel Alegre e alguma esquerda do PS, o Bloco de Esquerda, a Renovação Comunista e alguns independentes.

Segundo declarações do próprio Manuel Alegre, este encontro visa estabelecer um diálogo à esquerda, entre gente que tem andado desavinda. E refere-se a Abril e Maio, o primeiro como o mês da conquista da Liberdade e, o segundo, como o da luta pela igualdade social.

quinta-feira, maio 29, 2008

Foi você que pediu um Berlusconi ?

.










Tem vindo a ser anunciada uma "festa/sessão", com base num "Apelo" rubricado por um vasto conjunto de personalidades que incluem Manuel Alegre, Francisco Louçã e ex-PCPs. Terá lugar no Teatro da Trindade no dia 3 de Junho.

Depois da decadência dos partidos do centro - PSD e PS - estamos agora perante um típico fogacho do esquerdismo oportunista que, como de outras vezes na história, pode vir a ser antecâmara de ditaduras da direita. Quando o povo tiver perdido totalmente a confiança nos partidos “moderados”, sujeito a grandes dificuldades diárias, os pretextos proporcionados por tiradas extremistas farão surgir, do nada, um Berlusconi português ou, quem sabe, um Salazar da era digital.

O problema desta gente, que as sondagens animam, é que não faz os trabalhos de casa; não tem qualquer ideia prática sobre a forma de realizar a justiça que reclama. Nesse aspecto vale mais o Jerónimo, e a sua União Soviética “que ainda há-de vir”, pois ao menos sabe-se do que estamos a falar.
Eles pensam que basta cavalgar as últimas estatísticas sobre a pobreza, mas disso até o Santana Lopes já se tinha lembrado. Não vamos lá com descrições inflamadas da miséria que não são mais do que um disfarce da miséria das alternativas.

O que importa é inventar e preparar um novo mundo que funcione, que convença a maioria, em vez de organizar "AGORA AQUI" festas e sessões à babugem das eleições que se aproximam.

O PSD a passos de coelho

O PSD, e as eleições dentro do PSD, são também o lado lúdico da política. Dão a possibilidade aos portugueses de se divertirem a apostar num possível vencedor quando, em boa verdade, não sabem muito bem o que pensar daquela trapalhada.

Eu aproveito esta oportunidade para "jogos de azar" e aposto em Passos Coelho. Porquê ? Porque acho que o PSD tem uma necessidade absoluta de fingir que vai começar tudo de novo.
Além do mais é um candidato fotogénico que as senhoras gostarão de ver em despique, civilizado, com o nosso engenheiro Sócrates.

Foi também o único que fez uma proposta diferente e em que toda a gente reparou: a redução dos impostos. Mais vale parecer irresponsável do que parecer irrelevante.

quarta-feira, maio 28, 2008

Duas novas revistas on-line


Passaram a ser distribuídas on-line duas novas revistas, editadas pela Zion Edições. O primeiro número de qualquer delas é gratuito, depois terá que se pagar a sua assinatura. Não sou proprietário de nenhuma, nem seu colaborador, mas pelo seu inegável interesse recomendo, pelo menos, a consulta dos primeiros exemplares electrónicos.
A primeira é a edição portuguesa da célebre revista marxista norte-americana Monthly Review, fundada em 1949, por Paul M. Sweezy (ver fotografia aqui ao lado), em colaboração com Leo Huberman. O primeiro foi um dos mais reputados estudiosos, do ponto de vista marxista, do desenvolvimento do capitalismo e do imperialismo. Qualquer deles já falecido.
O sumário do primeiro número é o seguinte:
Estados Unidos da insegurança, entrevista com Noam Chomsky
A crise alimentar mundial, Fred Magdoff
O colapso do subprime, Karl Beitel
Sweezy em perspectiva, John Bellamy Foster
Este último o seu actual director.
Quanto à segunda revista, que será editada simultaneamente com a anterior, é uma revista portuguesa, que se chama Shift – revista do pensamento crítico radical. É dirigida por Fernando Ramalho e com um conselho redactorial formado Bernardino Aranda, Fernando Ramalho, Paulo Fidalgo, Ricardo Noronha e Rui Duarte. O primeiro número tem como título geral O fim do neoliberalismo ou a segunda morte de Milton Friedman.
O sumário deste número é composto pelos seguintes artigos:
Editorial: Das últimas ilusões à vida imprevisível, Fernando Ramalho
O financeiro contra o económico, Carlos Pimenta
Mecanismos de formação das crises económicas, Guilherme da Fonseca-Statter
Poder mundial e dinheiro mundial, Robert Kurz
Recensão: Socialismo sem dogma, Ricardo Noronha
Pelo exposto parece-me pois que valerá a pena a consulta ao site da editora, sendo possível a partir daí, desde que nos registemos, obter gratuitamente o primeiro exemplar de cada uma delas.
Desejo pois às duas grande sucesso .

Combustíveis e luta de classes

Nicolau Santos produziu no Expresso uma síntese excelente:


Ou seja, acabou a comida barata, a energia barata, os combustíveis baratos ou a água barata. Por outras palavras: bens democráticos, a que a generalidade dos cidadãos tinha acesso, como a água, pão, electricidade, gasolina ou gasóleo estão a tornar-se bens de luxo ou quase, a que cada vez terão mais dificuldade de acesso as classes médias e de menores rendimentos.

As consequências também serão várias - e todas elas potencialmente explosivas, porque a fome, a sede e a miséria não são boas conselheiras. A primeira é que a possibilidade de violentas convulsões sociais, com impactos fortíssimos a nível político e mesmo riscos para os sistemas democráticos é fortíssima. A segunda é que, à luz da História, situações destas acabam por resolver-se através de conflitos bélicos mundiais, que dizimam milhões de pessoas e reequilibram as condições de vida no planeta.

Perante este enunciado o cidadão tem que colocar-se muitas questões.

Como é possível que o governo português ainda recentemente tratasse a questão dos combustíveis como uma birra dos condutores mal habituados, subordinada em termos de importância ao equilíbrio orçamental ? Onde estão as previsões e as medidas preventivas que seriam de esperar de um governo responsável ?

Como se explica a resignação e passividade da Europa perante o encarecimento acelerado de produtos de que dependem os seus mais básicos padrões de vida, ao ponto de ter que ser acordada por um Manuel Pinho ansioso por encontrar bodes expiatórios ?

São todos incompetentes e irresponsáveis ou há outras explicações para este fenómeno ?

Convém talvez compreender que, mesmo dentro de um país como o nosso, nem todos são afectados da mesma forma e alguns até podem sair beneficiados destas crises. Quem exporta para Angola e é pago pelos rendimentos do petróleo talvez não tenha razões de queixa, ou quem é accionista da Galp, ou quem exporta para a Venezuela às cavalitas do governo de Sócrates, ou quem tem sempre os combustíveis, e não só, pagos pela empresa ou pelo Estado.

Esta questão dos preços do petróleo, do crédito e dos produtos alimentares pode afinal ser, no essencial, mais uma forma de certas classes expoliarem outras.

Também ao nível internacional, nomeadamente na Europa e EUA, conviria perceber quem ganha e quem perde com este terramoto. Para sabermos se estamos perante aprendizes de feiticeiro que jogam um perigoso xadrez contra as potências emergentes, em que as peças são poços de petróleo e mísseis nucleares.

O exagero militante


O Daniel Oliveira, no seu blogue Arrastão, usou este boneco para promover uma campanha de boicote à GALP e outras gasolineiras.

O que o pobre do homem não podia prever, ele que tem sempre posições tão politicamente correctas, é que iria ficar sob a alçada da ASAE "anti-homofóbica".

A sugestão do sexo anal como uma coisa dolorosa, que a imagem aparentemente contém, foi detectada pelos sempre vigilantes fiscais.

Os comentários ao post no Arrastão têm vindo a transitar da questão dos combustíveis para a obsessão "anti-homofóbica", numa ilustração do exagero militante em que hoje vivemos.

De que lado está afinal a intolerância ?

terça-feira, maio 27, 2008

Assaltar ou possuir uma gasolineira ?

No Água Lisa pode ler-se um texto de João Tunes que explica:

Para segurança energética nacional, prevenindo uma calamidade em que o petróleo momentaneamente “desapareça” do mercado, há muitas décadas que o Estado português, como a maioria dos Estados, impõe à aprovisionadora e refinadora nacional (Galp) um stock de segurança que permita haver refinação e abastecimento do mercado nacional mesmo que durante alguns meses o país se veja privado da capacidade de se abastecer de petróleo bruto. São quantidades enormes que a Galp é obrigada a aprovisionar em permanência (o que nada tem a ver com uma gestão de stocks caso a companhia não tivesse o constrangimento imposto) e cujo custo de imobilização é enorme. Como a reposição de stocks é automaticamente obrigatória para manter o stock de segurança, se saem 100 toneladas para refinar, têm de entrar 100 toneladas para armazenar. Assim, em conta corrente, a companhia refinadora está sempre a comprar a preços do momento pelo menos a quantidade de produto que está a ser comercializada. E, em termos práticos, podendo estar a refinar produtos a “preços anteriores” (e inferiores), em custo de matéria-prima nas contas globais, é como se cada partida que sai para os postos de abastecimento tivesse sido refinado com o petróleo do “último preço” (pois o que se escoa do stock em refinados é compensado imediatamente no stock de matéria-prima com crude ao preço do momento).

Ou eu estou completamente baralhado ou isto é uma falcatrua. Como os preços estão sempre a subir cada lote é sempre vendido como se tivesse custado muito mais caro do que custou na realidade.
Porque não vendem cada lote de acordo com o custo que teve ou, na pior das hipoteses, ao preço médio do stock em cada momento ?

Parafraseando Brecht: qual é a diferença entre assaltar uma gasolineira e possuir uma gasolineira ?

As alternativas de André Freire



André Freire publicou ontem um texto com título prometedor, " Crise do capitalismo neoliberal: alternativas". Respigo do Público:

Vivemos de novo a "estagflação", agora sob a hegemonia do neoliberalismo. Estaremos de novo em fase de mudança de paradigma? No artigo citado, expressei algum cepticismo e preocupação: "O nosso (do Ocidente, da Europa, do mundo) maior problema é a dificuldade em se afirmarem alternativas ao capitalismo neoliberal." Exemplifiquei com um editorial de Manuel Carvalho (PÚBLICO, 6/04/08), no qual este reconhecia os males do capitalismo desregulado, mas, simultaneamente, não perspectivava quaisquer alternativas. Prometi, por isso, reflectir sobre as alternativas: é o que venho fazer, de uma forma necessariamente esquemática e nada exaustiva.

Como tenho andado, desde há vários anos, a clamar e a escrever acerca da inexistência de tais alternativas fiquei interessadíssimo em perceber até onde as reflexões de André Freire o teriam levado.
Como é comum nestas coisas seguiu-se a decepção.
O tema não se presta a atenções repentinas e portanto o texto não passa de mais uma piedosa declaração de intenções.
Cita as propostas da Attac, que como todos sabemos são apenas paliativos, e também os economistas Thomas Palley e Ha-Joon Chang que algures enunciaram vagas propostas de moderação do "capitalismo selvagem".
Esta obsessão de certa esquerda (incluindo Mário Soares) relativamente ao capitalismo "selvagem", "desregulado" ou "neoliberal" e não ao capitalismo tout court, sem adjectivos, é muito elucidativa quanto à sua falta de horizontes.
Mostra duas coisas:

(1) condescendência para com o capitalismo tout court que parece só incomodar quando se constipa com alguma "selvajaria"
(2) falta de trabalho para compreender os mecanismos próprios do capitalismo na sua forma actual já que o concebe como uma aberração

Por isso André Freire termina a sua "reflexão" no mesmo ponto onde a começou:

Perante os sucessivos problemas do capitalismo desregulado, é urgente pensar nas alternativas. O jornalismo de referência tem aqui um papel fundamental, caso contrário estará a funcionar, voluntária ou involuntariamente, como um mero reprodutor das ideias dominantes. Mas os cientistas sociais que não se revêem no mainstream neoliberal têm também uma certa responsabilidade na fraca divulgação destas alternativas: mais empenhamento cívico precisa-se! As alternativas podem ser de difícil exequibilidade, sobretudo no curto e médio prazo, pois implicam uma alteração nas orientações políticas das grandes potências e das instituições internacionais (UE incluída), mas existem. Mais, ou reflectimos sobre elas e pensamos nas vias mais curtas e pragmáticas para a sua implementação, ou corremos o risco de, perante uma recessão mais cavada ao nível mundial, se entrar numa profunda deriva proteccionista e, quiçá, num novo conflito bélico mundial.

segunda-feira, maio 26, 2008

O valor da mobilidade

Continua na ordem do dia a discussão a propósito do abaixamento do imposto sobre os combustíveis (ISP) que agora até já divide os candidatos à presidência do PSD.

Aqui ficam alguns contributos para quem queira formar opinião:

1. A utilização da gasolina e do gasóleo não são exclusivo dos "irresponsáveis ecológicos" que se entretêm a dar umas voltas com a namorada, como o governo dá a entender.
Milhões de trabalhadores, de todos os níveis salariais, dependem todos os dias dos seus automóveis ou dos autocarros e outros transportes públicos que funcionam com combustíveis derivados do petróleo.
Há também um gigantesca cadeia logística que chega a milhares de vilas e aldeias, ao longo do território, que leva os jornais, o correio, os medicamentos e as mercadorias e trás de lá tudo o que os seus habitantes pretendam enviar para o mundo.

2. Ao contrário do que irresponsávelmente se pretende fazer crer a situação descrita anteriormente não é passível, a curto ou médio prazo,de ser substituída por outra muito mais favorável do ponto de vista energético (o que não significa que os esforços para tal não devam fazer-se desde já).
Se todos os utentes de carro próprio decidissem de um dia para o outro passar a usar os transportes públicos nas grandes cidades o caos resultante demonstraria como tais teses são descabeladas.
O mesmo se passa com a rede logística pois a esmagadora maioria das povoações não é servida por qualquer transporte alternativo.
Ao contrário do que insinua o governo, o cidadão comum não tem realmente o poder de decidir, num acto de abnegação, salvar o país através da mudança dos seus "reprovaveis" hábitos.

3. Perante a escalada dos preços do crude os países que continuam a depender do petróleo em larga escala são obrigados a transferir uma parte crescente da sua riqueza para quem o comercializa. É uma inevitabilidade.
Se para além disso o Estado, nesses países, sobrecarregar o preço já de si elevado dos combustíveis com alcavalas e impostos então, para além do empobrecimento acima referido, haverá um outro resultante da perda de competitividade internacional e do definhamento da economia respectiva.
Em termos comparativos os produtos de cada país irão reflectir o peso dos derivados do petróleo na sua estrutura produtora e distribuidora. Das fábricas sairão produtos mais caros e o transporte desses produtos até aos clientes, nacionais ou internacionais, aumentará ainda mais a diferença para os seus concorrentes.
Ou seja, pode haver países que não sendo produtores de petróleo apesar disso beneficiem do agravamento dos preços. O exemplo da Espanha e de Portugal, com níveis de impostos bastantes diferentes, ajuda a perceber esta ideia.

4. A mobilidade é a circulação sanguínea da economia mas também da vida em sociedade e condição das liberdades individuais. Não é admissível o cenário das populações acantonadas nas suas vilas e cidades, num retorno à idade média, com trocas esporádicas e voltando cada um a viver do que produz. Mas também não se podem tornar inviáveis as viagens com o intuito de ver espectáculos, receber formação ou conhecer novas experiências.
Ao pôr em causa a mobilidade piora-se também as condições, económicas e outras, que deveriam propiciar o desenvolvimento de energias alternativas.

5. A mobilidade é um bem que tem que ser absolutamente preservado, mesmo que o Estado tenha que sacrificar algumas outras das suas funções menos importantes.
Quando a mobilidade estiver em causa pelo facto de o Estado precisar dos impostos que cobra na venda dos combustíveis então isso significa, provavelmente, que o Estado está a gastar demais ou a gastar mal; que o Estado está a viver acima das suas possibilidades.



Quadro publicado no blogue "Fumaças" em 26.05.2008

sexta-feira, maio 23, 2008

Nightwatching

.


O novo filme de Peter Greenaway é uma longuíssima dissertação sobre as relações entre a arte e o poder. Mostra o famoso quadro de Rembrandt "A Ronda da Noite" não como o desfile prazenteiro de uma confraria mas como a denúncia, pelo pintor, de lutas intestinas sustentadas por crimes. Denúncia pela qual paga um elevado preço.

A arte e o poder - e o poder da arte- num filme esteticamente impressionante.

O filme assume uma actualidade insuspeitada quando a sociedade holandesa do Século XVII nos é mostrada na sua faceta marcadamente mercantilista; uma sociedade onde tudo parece ter um preço e onde tudo se paga.


A demagogia nos combustíveis

.



"Utilizar o dinheiro de todos os portugueses para financiar a gasolina já se fez no passado, mas com consequências horríveis para a economia portuguesa. Isso é transferir (o peso do custo da gasolina) do consumidor para o contribuinte", afirmou o chefe do Executivo, invertendo papéis para perguntar aos jornalistas: "Acham bem que quem não tem carro financie a gasolina?".

Sócrates está a "ver o filme ao contrário" e a ser demagógico. Não se trata de pôr quem não tem carro a financiar a gasolina. Quantos portugueses que não têm carro pagam realmente impostos ? Os cidadãos que usam automóveis é que são tratados e taxados como nababos ou delinquentes. A verdade é que quem compra gasolina está a pagar um imposto especial, enorme, para alimentar a celulite do Estado.

Sócrates já devia ter percebido que hoje a gasolina é um artigo de primeira necessidade, que ter carro não é nenhum acto sumptuário. Os mais abastados até têm muitas vezes a gasolina paga pelas empresas (ou pelo ministério no caso de Sócrates), que depois "reflectem" os custos sobre os consumidores (o famoso mexilhão).

Os combustíveis são aliás um produto que, ao aumentar de preço, acaba por se repercutir no nível geral de preços ao consumidor, incluindo nos transportes públicos. Por isso afecta toda a gente mesmo os tais "que não têm carro". Mas os que têm carro e não têm a gasolina "à borla" sofrem duplamente; quando enchem o depósito e também pelo aumento do preço de todos os outros produtos.

Por isso o governo devia estabelecer um limite para o preço da gasolina no retalho e garanti-lo durante pelo menos um ano através das reduções que fossem necessárias do Imposto sobre Produtos Petrolíferos. Mais tarde ou mais cedo será obrigado a fazê-lo sob pena de rupturas sociais e de insuportáveis limitações à mobilidade de consequências inimagináveis. Os cidadãos já apertaram o cinto suficientemente, agora é a vez do Governo reduzir as despesas para evitar a progressiva paralização do país.

Em paralelo é necessário garantir condições práticas para reduzir aceleradamente a "dependência do crude". Isso é que devia estar a ser discutido, e feito, neste momento.

quinta-feira, maio 22, 2008

Os monstros que vivem dentro de nós

.


Que alguém mate no auge de uma fúria eu até compreendo. Que alguém mate para sobreviver eu até compreendo. Mas há uma diferença enorme entre matar de um golpe e fazer alguém arder, vivo, durante horas.
É perante coisas como as que estão a acontecer na África do Sul que a nossa esperança definha, quando temos que admitir que receamos os monstros que vivem dentro de nós.

quarta-feira, maio 21, 2008

Quem é Ricardo?




Curta-metragem de José Barahona, com argumento e diálogos de Mário de Carvalho, sobre um interrogatório na PIDE

terça-feira, maio 20, 2008

50º Aniversário da Candidatura de Humberto Delgado a Presidente da República


Sei que estes posts também se fazem de memórias e que nem sempre sou obrigado a escrever prosa “séria”, mal de que muitas vezes padeço.

Tinha 14 anos quando Humberto Delgado se candidatou às “eleições” presidenciais de 1958. Faria 15 anos pouco depois da sua “derrota”.

O que fazia e o que sabia sobre a Oposição.

Vivia em Lisboa, sempre vivi, e estudava no Liceu Gil Vicente. Estava no 4º ano do liceu, com um atraso de um ano escolar em relação à idade. Era filho de uma família oposicionista, que me mantinha mais ou menos bem informado sobre as notícias que fervilhavam na Baixa lisboeta. Os meus pais trabalhavam no Terreiro do Paço. Estava pois a par dos mexericos, dos reboliços, dos abaixo-assinados, das cartas-abertas e de alguns comunicados da Oposição Democrática. Nunca por minha casa, que eu visse, passou o papel de bíblia dos comunicados do Partido Comunista.

Não me lembro se fui informado antecipadamente da chegada do Humberto Delgado à Estação de Santa Apolónia, regressado da sua visita triunfal ao Porto. Soube depois da repressão sobre aqueles que o tinham ido esperar. Um amigo meu contou-me mais tarde que tinha ido com a sua mãe, como quem vai esperar um familiar, à Estação ver o General.

O clima estava criado, todos os dias iríamos ouvir falar daquelas eleições e de Humberto Delgado. Nem eu, nem os meus pais, participámos em qualquer manifestação ou comício, mas todos os dias o tan-tan das notícias me chegava da Baixa.

Os meus amigos à época, que eram colegas de escola, não se interessavam por política. Eram jovens entre os 14 e 15 anos, mais virados para catrapiscar as raparigas que saíam da Escola Voz de Operário, que, na altura, era uma Escola Comercial para o sexo feminino, ou então para jogar bilhar no Largo da Graça. Eu, um pouco mais espigadote intelectualmente, já era mais dado a leituras.

Sei, no entanto, que o furacão Delgado impressionou a todos, foi motivo de conversa e de apoio. Mesmo aqueles que estavam a leste de qualquer preocupação política não deixaram de se entusiasmar com a personagem.

Não me recordo de muitas mais coisas, sei, no entanto, que alguns dos meus amigos foram ou tentaram ir ao célebre comício do Liceu Camões, aquele em que Santos Costa, pôs a tropa na rua. Tive depois a descrição de repressão e do que se passou nas imediações da praça José Fontana.

Lembro-me também que havia um grupo no meu liceu, em que participava o Mário Vieira de Carvalho, que tempos depois se tornou um bom amigo, muito desenvolto, que fazia às claras propaganda do General. Fui avisá-los, com a minha proverbial prudência, que não se expusessem demasiado.

Recordo-me igualmente de uma tia que tinha visto passar Humberto Delgado em Almada e que vinha excitadíssima com a loucura que tinha sido a sua recepção naquela localidade.

Pouco me recordo da campanha do Arlindo Vicente, outro dos candidatos da Oposição, que desistiu a favor do Delgado. Sabia que este tinha sido apoiado pelo Partido Comunista, enquanto que Delgado inicialmente não tinha sido.

Os meus pais, que me recorde, não foram votar, porque não achavam as eleições livres e tinham provavelmente medo de represálias nos seus locais de trabalho. É preciso dizer que os votos estavam separados e facilmente, dada a cor do papel, se distinguia o voto na Situação do da Oposição.

Tudo isto terminou de um modo muito triste para mim e para a Nação. Recordo que fui passar umas férias, das muitas que tínhamos, a casa de um tio, um fascista um pouco encapotado, que no dia em que a Oposição decidiu protestar contra a fraude eleitoral – devia ser Julho –, propondo que todos pusessem luto, não fossem a espectáculos e tomassem outras medidas que ilustrassem a sua indignação, me propôs irmos ao cinema para verificarmos in loco se as pessoas tinham aderido ao boicote. A minha ingenuidade e o desejo de ir ao cinema levaram-me a participar, um pouco a contra gosto, na farsa.

No ano escolar seguinte, acho que mudei de amigos, passei a reunir-me com eles ao cimo da R. Angelina Vidal, facto que já comentei num post anterior. Encontrava-me, para o Fernando Penim Redondo que os conhece, como Victor e o Osvaldo. Um dia, primeiro a medo e depois claramente, começaram-me a falar do “nosso homem”. Este não era outro senão o general Humberto Delgado. A partir daí criou-se entre nós uma amizade, a que depois se juntaram muitos outros, também adeptos do “nosso homem”, que durou para o resto da vida. Todos esses jovens aos poucos foram entrando para o Partido Comunista, alguns, como eu, já lá não estão, mas mantiveram sempre com a esquerda uma forte relação.
PS.: Este texto foi publicado igualmente em http://trix-nitrix.blogspot.com/

Reflexões em aberto sobre o Maio de 68


Num programa de Júlio Isidro, por sinal de uma piroseira indescritível, dedicado ao Maio de 68 e que passou na RTP I, na passada quarta-feira, Fernando Rosas, um dos convidados, considerou, por outras palavras, que, em oposição à visão de Sarkosy, que considerava que era necessário “liquidar a herança do Maio de 68”, o legado daqueles acontecimentos abriu as portas à modernidade dos nossos dias.


I – O revisionismo da direita

Aquela proposta de liquidação do Maio de 68, insere-se num certo revisionismo histórico, que sendo coisa demasiado complicada para um político fogo-de-vista, como é o Sr. Sarkosy, percorre no entanto muito do pensamento conservador contemporâneo e pode, por isso, ser perceptível mesmo para políticos menos dotados para as “questões filosóficas”.

Hoje a direita conservadora, com o apoio de alguma esquerda bem-pensante, tenta eliminar da história todos os momentos de grande transformação social, que, por essa razão, são portadores de uma dose, por vezes não controlada, de violência. Assim valoriza unicamente a Revolução Americana, de que resultou a independência da América do Norte e, segundo ela, a formação das sociedades democráticas do Ocidente, opondo-a à Revolução Francesa, principalmente à fase de domínio jacobino, o chamado período do Terror. Abomina a Revolução Russa, considerando que Estaline é o continuador, para pior, dos métodos de Lenine, que por sua vez já se fora inspirar em Marx.

Depois, mais recentemente, o nazismo não seria mais do que uma resposta ao comunismo e a II Guerra Mundial só terminou com a queda do Muro de Berlim, porque primeiro se derrotou o “totalitarismo” nazi, que no princípio estava associado ao comunismo, e depois o “totalitarismo” comunista com a “libertação” dos povos do leste Europeu (Bush dixit: ver notícia no Público e a prosa reaccionaríssima de um comentador americano, traduzida para brasileiro). Para alguns conservadores, só por acaso, é que houve uma aliança entre as democracias e os comunistas, que na altura, e bem, se chamava antifascismo, e se realizou uma conferência de Yalta, em que o principal representante das democracias, Roosevelt, era, para aqueles, um chefe débil e à beira da morte. Sobre todos estes assuntos ver a prosa interessantíssima de António Figueira aqui e aqui .

Também, o conservadorismo nacional tenta rever a nossa história contemporânea. É a reabilitação do Rei D. Carlos e o estigma dos regicidas, com a tentativa de impedir a transladação de Aquilino Ribeiro para o Panteão. É a República transformada em antecâmara da ditadura, pois seria tão prepotente como que aquela (veja-se as declarações de Rui Ramos ao Primeiro de Janeiro ou ao programa Diga Lá Excelência ). É o PREC transformado em ditadura comunista (ver este artigo do Diário de Notícias sobre a morte do cónego Melo).

Chegou agora a vez do Maio de 68 e é vê-los em bicha, desde o Vasco Pulido Valente até ao João Carlos Espada, a combaterem a herança do Maio de 68.


II – O adquirido civilizacional progressista

Retomando as declarações iniciais de Fernando Rosas, lembremos outras que ele fez ao P2, do Público, de 2 de Maio. A propósito das afirmações de Sarkosy considera que “mais tarde ou mais cedo, a lógica neoliberal do discurso político tinha que ir a Maio”. E acrescenta “os adquiridos civilizacionais progressistas de Maio só estarão seguros quando se escorarem numa verdadeira alternativa de poder à agenda e aos valores do neoliberalismo. Maio não é um fecho é uma abertura. Abre um campo de possibilidades muito actuais. Toda a nova esquerda europeia só pode ser pensada em função desse momento original e genético que são as revoluções de Maio”.

O discurso é empolgante, fala-se mesmo em revoluções, e não só no Maio de 68 francês. Mas é indispensável fazer uma reflexão mais fina. Pela minha parte tentarei fazê-la.

A parte mais consensual das heranças dos diversos Maios consiste talvez na conquista da igualdade de género, com a libertação da mulher das suas limitações sexuais, devido ao aparecimento da pílula, e com a sua independência económica, resultante do acesso maciço ao mercado de trabalho. Qualquer delas estarão mais ligadas a toda a década de 60 do que unicamente ao Maio de 68.

Quanto à transformação das mentalidades, o surgimento de um novo relativismo de valores e de uma maior liberdade individual – cada um por si –, é efectivamente um adquirido que eu continuaria a considerar mais da época do que do Maio de 68, mas que radica numa transformação social do assalariado de que irei falar a seguir.


III – A transformação da classe operária e da sua representação política

Penso que as greves operárias de 68 em França foram as maiores, na Europa Ocidental, da segunda metade do século XX, mas que constituíram também o fim de uma certa classe operária, como a entendíamos no pós-fordismo, integrada em grandes fábricas e fazendo parte de uma infindável linha de montagem, tal como era representada nos Tempos Modernos, de Chaplin. Em Portugal, com todos os atrasos que nos são característicos, tivemos também um exemplo dessa classe operária. Estava localizada na margem esquerda do Tejo e era constituída pela Siderurgia, pela CUF do Barreiro ou pelos estaleiros da Lisnave e Setenave.

Esta classe operária foi destruída. Terceirizou-se ou reformou-se. O que resta dela são hoje os operários de bata branca da Auto-Europa, ou então foi substituída por trabalhadores de Leste, por africanos ou brasileiros.

No resto da Europa a situação não foi muito diferente. Os grandes partidos operários desapareceram. Do PCF e do PCI já quase nada resta. Thatcher acabou por destruir a ala esquerda do Labour inglês. A social-democracia alemã está hoje muito mais desfigurada do que a que existia nos tempos de Willy Brandt .

Tudo isto teve efeitos devastadores, por um lado, na composição da esquerda europeia, por outro, na organização das forças capazes de resistir à ofensiva neoliberal.

Por isso, custa-me a perceber que um filósofo respeitável como Daniel Bensaïd, em entrevista à Visão História, Abril de 2008, possa afirmar que “os trabalhadores estão menos organizados e, por isso, menos capazes para resistir à brutalidade da ofensiva neoliberal. Mas, por outro lado, estão menos controlados por aparelhos e mais livres para lutas espontâneas.” Ou seja, de acordo com dados por fornecidos pelo entrevistado, a CGT tinha na altura “3 milhões de filiados, hoje tem menos de 700 mil, já contando com os reformados. O Partido Comunista tinha entre 20 a 25% dos votos e tinha o controlo, quase o monopólio, sobre a maioria dos trabalhadores. Por isso, entre estudantes e trabalhadores, em 68 havia um muro de desconfiança. Não era uma desconfiança espontânea, mas construída, principalmente pela CGT e pelo PCF. Hoje esse muro foi destruído. Isso é positivo”. Estranho que alguém, sabendo o que é a ofensiva neoliberal, e a dificuldade de resistência dos trabalhadores a essa ofensiva, possa ainda acreditar, em nome da espontaneidade das lutas, que a destruição dos sindicatos operários e dos seus partidos foi benéfica para combater essa ofensiva (ver igualmente uma entrevista sobre o Maio de 68 de Daniel Bensaïd ao Rebelion).


IV – Crítica à herança política do Maio de 68

Voltemos ainda às declarações de Fernando Rosas à Visão História, repetindo as suas afirmações finais: “toda a nova esquerda europeia só pode ser pensada em função desse momento original e genético que são as revoluções de Maio”.

Estou bastante em desacordo com esta afirmação. Primeiro como já o afirmei no ponto anterior, lamento não considerar como estruturante de uma nova esquerda a destruição das mais importantes centrais operárias, nem dos seus partidos, mesmo que isso corresponda a uma maior espontaneidade das lutas.

Segundo, que podemos nós hoje pensar da herança maoista, há muito renegada no seu centro de origem, e que constitui sem dúvida um dos piores momentos de sectarismo e de esquerdismo do movimento marxista, não correspondendo de modo algum a visão humanista e rigorosa dos seus fundadores.

Terceiro, que podemos nós hoje dizer, que interesse verdadeiramente à transformação social da Europa e à luta contra a ofensiva neoliberal, que tenha haver com o guevarismo – com a teoria do foco ou a criação de um, dois ou três Vietnames –, ou com o respeitável pensamento de Trosky, só provavelmente com a sua crítica à burocracia do antigo “socialismo real”.

Que pode hoje a esquerda, a que se reclama do Partido da Esquerda Europeia, retirar do Maio de 68 senão nostalgia e recordação dos bons velhos tempos. Politicamente, lamento dizer, mas Maio está morto desse ponto de vista. Hoje o nosso trabalho é outro. Temos que ir provavelmente apanhar os cacos daquilo que deixámos pelo caminho: Gramsci em primeiro lugar, o austro-marxismo, algum do marxismo ocidental, tão renegado pela ortodoxia soviética, Rosa Luxemburgo e a sua crítica ao centralismo bolchevique, provavelmente a Bukarine e a defesa do mercado no socialismo.

Por isso, afirmei em post recente “que bem exprimido o Maio de 68, na sua forma comemorativa e retórica, pouco nos deixou que verdadeiramente seja transformador das sociedades hodiernas”.

Considero que esta afirmação é discutível, e que se pode confundir com os ataques da direita. Contudo, penso que ao comemorar o Maio de 68 não o podemos reduzir a adorno da mediatização triunfante, que tudo transforma em espectáculo, ou de uma certa esquerda que dele se serve para ajustar umas contas com os antigos partidos comunistas. Tal como em todas as comemorações, temos que valorizar o que ainda hoje está válido e qual a sua contribuição para o processo transformador, tendo sempre em conta que o nosso discurso se integra na luta ideológica que quotidianamente travamos com a ideologia dominante.
PS.: Este texto foi publicado igualmente em http://trix-nitrix.blogspot.com/

segunda-feira, maio 19, 2008

Barco com água abastece Barcelona




A seca na cidade de Barcelona é tão forte que já obrigou ao recurso a um barco com água para abastecer a população. As barragens estão vazias, apesar de alguma chuva que caiu em Abril.

As chuvas da Primavera permitiram que as barragens estejam agora com cerca de 25% da sua capacidade preenchida, mas estão muito longe de poder fazer face às necessidades da cidade. O Verão deverá ser bastante quente e seco, segundo as previsões meteorológicas, pelo que medidas de emergência começam já a ser tomadas. As autoridades têm feito campanhas apelando ao uso racional da água por parte dos consumidores, mas o carregamento de 19 toneladas trazidas por barco de Tarragona acabou por ser uma medida inevitável para fazer face à uma das piores crises de abastecimento desde 1953.

"Se não chover e se não forem encontradas soluções, Barcelona vai sofrer com cortes de fornecimento de água. Mas por agora, parece que as medidas que estão a ser tomadas vão ser eficazes", disse Jordi Campillo, vereador para o ambiente.

Os 5,5 milhões de habitantes da cidade deverão poder contar até ao Verão com mais dez carregamentos de água, que custarão cerca de 40 milhões de euros. O governo está a construir uma fábrica de dessalinização de água do mar, que será a maior da União Europeia e que deverá estar operacional em Maio de 2009. Estima-se que possa fornecer 20% da água necessária a Barcelona e será a primeira de várias a construir por toda a Espanha.

Esta notícia sobre uma das cidades mais bem geridas da Europa, ou com fama disso, leva-me às seguintes questões:

- Se isto se passasse em Portugal estaríamos certamente a ouvir um coro de vozes clamando contra a nossa impreviência e falta de planeamento.

- Por falar em Portugal, qual é a probabilidade de se verificar uma situação equivalente ? Será que devíamos começar já a planear centrais de dessalinização ?

- Estaremos a fazer tudo para proteger e potenciar as nossas reservas (pelos vistos estratégicas) de água ? Onde se meteram os adversários do Alqueva ?

domingo, maio 18, 2008

Uma escala inimaginável

.


Temos dificuldade em imaginar a escala do desastre ocorrido na China. Dezenas de milhares de mortos confirmados e outros tantos ainda soterrados, quatrocentas barragens afectadas, um milhão de pessoas em fuga para escapar às enxurradas, cinco milhões de pessoas desalojadas.

A sorte dos que sobreviveram foi terem nascido num país como a China. De outro modo o número de vítimas ainda continuaria a aumentar durante muito tempo.


sábado, maio 17, 2008

O gigante tem pés de barro ?



As imagens televisivas do terramoto na China têm-me comovido. Não só pelos dramas pessoais mostrados mas, essencialmente, pela admirável mobilização de meios para o salvamento.

Talvez só a teimosia disciplinada dos chineses permita uma tal dimensão. O regime político chinês, goste-se ou não, também garante uma enorme rapidez, sem controvérsias, na mobilização dos meios que em termos humanos são avassaladores.

A aparente facilidade com que o terramoto destruiu cidades inteiras é um claro sintoma da "pressa" com que a modernização da China tem sido feita. O gigante tem pés de barro ?

sexta-feira, maio 16, 2008

Os novos cruzados


Fernanda Câncio publicou hoje no DN um texto intitulado "O que há num nome" em que empunha garbosamente a bandeira dos direitos dos homossexuais.

A verdade é que, pelo exagero e pela argumentação descuidada, acaba por prestar um mau serviço à causa que julga defender.

Confunde, com evidente prejuizo, (1) a reivindicação dos homossexuais serem tratados como qualquer outro cidadão, sem discriminações, com (2) a questão do que pensam os portugueses sobre o fenómeno da homossexualidade.

Qualquer pessoa bem formada aceitará sem dificuldade a reivindicação (1) mas quanto ao resto haverá certamente uma grande dispersão e muitas opiniões "negativas".

Haverá quem considere a homossexualidade uma espécie de doença, ou uma moda chic, ou um vício; haverá quem pense que se nasce gay e quem pense que trata de uma escolha livre, condicionada ou não por misteriosas "predisposições"; haverá quem a julgue prejudicial à sociedade e quem pense que é uma opção do foro íntimo que como tal deve ser respeitada.

Na falta de uma explicação "científica" para o fenómeno da homossexualidade fica aberto um extenso campo para a especulação, situado no plano da liberdade de pensamento que, tal como a liberdade dos homossexuais, tem que ser respeitada. O que pode e deve ser exigido, independentemente do que cada um pense acerca da homossexualidade, é que respeite sem excepções os direitos dos seus concidadãos.

Portanto não é sequer inteligente exigir que, para além de respeitar os direitos de cidadania dos homossexuais, se tenha também que considerar a homossexualidade "correcta" (seja lá isso o que for), ou aprová-la de alguma forma. Essa fasquia tão alta invade a liberdade de pensamento e reduz a base de apoio das medidas necessárias para protecção dos direitos dos homossexuais.

Quer a Fernanda Câncio queira quer não há muitos milhares de cidadãos que, embora não "aprovando" as práticas homossexuais, respeitam sem reservas os que as adoptam. E não são nenhuns energúmenos.

O mais grave do artigo de Fernanda Câncio é o que ele revela de intolerância perante opiniões diferentes, o espírito de cruzada de quem está na posse de uma verdade inquestionável, que é o primeiro sinal do fanatismo. Quem é que ungiu a Fernanda, que ciência lhe foi revelada para se permitir tratar como idiotas os que não pensam como ela. Episódios recentes, de contornos inadmissíveis, em que Fernanda Câncio surgia no papel de vítima deviam talvez ter-lhe ensinado a prezar o respeito pelos outros.

Infelizmente hoje qualquer neófito na luta pelas liberdades, quando o faz com exagero e espavento, pensa que isso lhe dá o direito de classificar, a torto e a direito, a sinceridade democrática, a pureza de esquerda e a coerência revolucionária dos outros.

Coisas de que nem sempre nos lembramos

.




"O nosso mundo duplicou com a abertura da Índia e da China. Desde há anos que este processo se iniciou, mas o seu impacto tem sido especialmente sentido nos últimos dez anos.
A abertura dos países asiáticos duplicou, sensivelmente, a população do nosso "mundo económico". São países com uma mão-de-obra abundante, embora pouco sofisticada, e escassez de capital, incluindo capital humano (ou trabalhadores especializados). Ou seja, a nível mundial, duplicou a oferta de mão-de-obra e aumentou a procura de capital e de pessoas muito qualificadas (nomeadamente, dos executivos). Se a oferta global do factor trabalho aumentou drasticamente, então a pressão sobre a baixa dos salários será também muito grande nas economias mais desenvolvidas. Simetricamente, a forte escassez de capital e investimentos e, acima de tudo, de pessoas altamente qualificadas faz subir a sua remuneração pela pressão no mercado.
A primeira implicação da "duplicação do mundo" é uma forte redistribuição do rendimento dentro de cada país. No mundo ocidental, há uma clara estagnação salarial e as remunerações do capital (incluindo o capital humano) têm subido significativamente. Em certo sentido, deste lado do mundo, os mais educados e mais ricos ficaram ainda mais ricos e os pobres ainda mais pobres.
No entanto, do outro lado do mundo, na China e na Índia, os salários têm aumentado e a pobreza tem diminuído, de forma sustentada e significativa. Os efeitos são, assim, exactamente simétricos no Ocidente e no Oriente.
Há também alterações nos preços dos bens: os bens industriais pouco sofisticados, intensivos em mão-de-obra menos qualificada, têm baixado de preço de forma muito clara. Da torradeira à televisão, os preços de hoje seriam impensáveis há dez anos. E, dentro em pouco, o preço de um carro utilitário e estandardizado irá pelo mesmo caminho. Tudo isto é positivo para todos os consumidores. Como os asiáticos têm melhorado a sua situação económica, deixando de passar fome, os preços dos bens alimentares têm subido (também por isso) de forma muito acentuada. Com a economia mundial a crescer a taxas nunca observadas, devido aos países asiáticos, o preço da energia tem igualmente aumentado. Estes efeitos podem ser desagradáveis mas acontecem por boas razões. "


Estas frases extraídas do artigo de Luís Campos e Cunha "O mundo duplicou", publicado no Público de 16.05.2008, mostram que estamos numa época em que, pela primeira vez na história, é obrigatório olhar para o mundo como um todo.

Infelizmente quer a política quer a cultura ainda não se abriram ao universalismo e continuamos todos a funcionar com base em particularismos e capelinhas.

Por outro lado, em termos médios, este novo mundo económicamente integrado "regrediu" para um tipo de sociedade industrial que a Europa, por exemplo, tinha ultrapassado há décadas. Voltou a formar-se um gigantesco proletariado industrial e uma aparentemente inesgotável reserva de mão de obra barata. Mas esta "sub-revolução industrial", que ocorre em plena era digital, não será uma simples cópia das anteriores.

Mais depressa do que julgamos centenas de milhões de seres humanos, culturalmente muito diversos, deixarão de ser apenas "comedores de arroz" e entrarão nos mercados da arte, do turismo e do entertenimento. As consequências são incalculáveis.

Então o que é que fica ?

.



.

quinta-feira, maio 15, 2008

Chavez, sempre inspirador

.


Chavez continua a ser para mim uma fonte de inspiração e de gozo.
Não, não vou criticar Sócrates por visitar o homem e por tentar fazer bons negócios com ele.
Limito-me a sugerir que se comece a importar, em vez do crude, a gasolina com que os venezuelanos abastecem os seus carros. Dizem os jornais que com um euro se enche o depósito. Isso é que era um grande negócio...
Mas o que verdadeiramente me dá gozo é o ideólogo do "Socialismo do Século XXI" chamar "socialista" ao nosso primeiro ministro, para desespero dos seus admiradores portugueses que passam a vida a pintar Sócrates com cores que roçam o fascistóide. Fascistóide, explicou Chavez perante um impassível Sócrates, é a Angela Merkel que acusou de atirar pedras à América Sul.

O novo avião de Sócrates

.

...no regresso de Caracas.

.

quarta-feira, maio 14, 2008

A cor do horto gráfico

.



Esta coisa do Acordo Ortográfico parece-me ser mais um não-problema.
Como quase tudo no nosso país está a ser tratado como uma disputa entre claques.

Depois de ouvir e ler muito sobre o tema cheguei à conclusão de que não virá ao mundo nem grande bem, nem grande mal, por causa deste acordo.
Ele é fundamentalmente um sinal diplomático, um gesto simbólico com o qual eu estou totalmente de acordo. É preciso pensar largo, universalmente, tendo sempre em mente a comunidade mundial dos falantes.

Depois há um outro nível de irrelevância da ortografia. Trata-se de uma “lei” sem sanções. Passada a fase dos ditados escolares cada um escreve como calha e não sofre qualquer sanção por isso. Até nos meios de comunicação e nos documentos oficiais podem encontrar-se "variações" ortográficas que não invalidam as notícias nem os contratos.

No plano da comunicação pode argumentar-se que algumas regras têm que ser respeitadas sob risco da incomunicabilidade. Mas também é verdade que certas manipulações da ortografia enriquecem a comunicação, em vez de empobrecer, pela sugestão de novas semânticas.

O mesmo se passa aliás com a sintaxe que, a ser sempre respeitada, limitaria gravemente a linguagem poética.

Num mundo ideal cada pessoa deveria, em cada momento, ter liberdade para gerir a sua comunicação através do equilíbrio entre a inteligibilidade, a ortografia criativa e a linguagem poética. A “ortografia oficial” seria usada nos documentos formais ou de carácter científico.

Estas dissertações foram desencadeadas pelo texto de Rui Tavares no Público de 14 de Maio (ver aqui), que recomendo, intitulado "Uma boa decisão". Diz ele a abrir:

“Vasco Graça Moura escreveu um poema celebrando o sexto aniversário do blogue de Pacheco Pereira, cujo título é Abrupto, e aproveitou a ocasião para lhe lamentar a queda do "p" pelo novo acordo ortográfico, jurando que havia de pôr luto se o abrupto ficasse abruto. É bonito, sim senhor. Mas não é verdade: o "p" em abrupto não é uma consoante muda e, pronunciando-se, continuará na palavra escrita.
Aproxima-se um dia decisivo para a questão ortográfica e a confusão, voluntária ou involuntária, é geral. A confusão, acima de tudo, dá jeito. No meio disto, até há quem pense que o que está em discussão é Portugal ratificar ou não o Acordo Ortográfico. Mas não é.
Portugal já ratificou o Acordo Ortográfico. Há mais de 15 anos. Aquilo que na sexta-feira se votará no Parlamento português é uma modificação que se introduziu, entretanto, para permitir a entrada de Timor-Leste e aceitar que o acordo entre em vigor depois de ratificado por três países.”

.

Um dia de salário para a Nação



Há dias, nos comentários ao post "E se houvesse um novo 25 de Abril ?", afirmei que também eu contribuí com "Um dia de salário para a Nação". Como entretanto encontrei um documento interessante volto ao assunto.

A campanha, lançada nos últimos meses de 1974, tinha como objectivo ajudar financeiramente o Estado no conturbado período que então se vivia.
Um certo número de empregados da IBM, empresa em que eu então trabalhava, aderiu à campanha e os seus contributos ascenderam a quase 52.000 escudos (nessa época um programador ganhava cerca de 15.000 escudos mensais).
Aqui fica a reprodução do recibo que nos foi enviado em Dezembro de 1974 pelo Ministério do Trabalho, assinado pelo punho de João Amaral ao tempo chefe de gabinete do ministro.

terça-feira, maio 13, 2008

A hegemonia cultural e política da esquerda nas vésperas do 25 de Abril


Ao consultar na net a edição portuguesa do Le Monde Diplomatic encontrei referência a uma conferência internacional, que eu já conhecia, mas na qual não pude infelizmente participar, sobre o Maio de 68 e que teve lugar a 11 e 12 de Abril passados.

Sei que dessa conferência resultaram imensas entrevistas aos participantes estrangeiros, incluindo uma a Daniel Bensaïd, que irei posteriormente comentar, e que ela serviu de fonte de inspiração a muitos jornalistas para as suas reportagens sobre o Maio de 68.

Uma das primeiras comunicações apresentadas foi a de Fernando Rosas, que se intitulava: Teses sobre a geração dos anos 60 em Portugal e a questão da hegemonia e cujo resumo, que constava do programa, era o seguinte: “pretende-se discutir o papel que o "Maio de 68" em Portugal, ou seja, a contestação estudantil de 1969, desempenhou na radicalização da luta política em geral e na alteração das relações de hegemonia em favor das mundivisões marxizantes e revolucionárias na sociedade portuguesa da época.”

Fiquei bastante interessado no tema e tentei ver se na net havia o texto completo da comunicação. Eu próprio, em reflexões pessoais, e na perspectiva de um estudante comunista, já tinha dado a minha visão do que tinha sido a influência do Maio de 68 no movimento estudantil desses anos.

Mas, o que despertou mais o meu interesse foi, no resume da sua comunicação, a expressão “a contestação estudantil de 1969” provocou “alteração das relações de hegemonia em favor das mundivisões marxizantes e revolucionárias na sociedade portuguesa da época.”

Com a audácia de alguém que não assistiu à conferência, queria no entanto sublinhar que se isto é verdade, houve à época um outro conjunto de circunstâncias, políticas e culturais, que permitiu a alteração das relações hegemónicas a favor de uma modificação revolucionária da sociedade portuguesa e com contornos marxistas, que teve evidentemente reflexos no pós-25 de Abril, que não seria o que foi se não tivesse o terreno já previamente adubado.

Mas comecemos pelo princípio.

Num filme que passou recentemente na RTP I, sobre Humberto Delgado e as eleições de 1958, muito discutível pela selecção dos depoimentos a que recorre – não há nenhum comunista a falar sobre aquelas eleições –, Lauro António, o seu realizador, vai ouvir a opinião de Marcelo Rebelo de Sousa. Este, com grande ligeireza opinativa, refere que a queda do salazarismo teria começado com aquelas eleições. Victor Dias no seu blog já comentou devidamente estas declarações. No entanto, gostaria de acrescentar, que os tempos em que se desenrolaram aquelas eleições, que corresponderam ainda a um Portugal arcaico, nada tiveram a ver com o clima político e cultural criado durante o marcelismo e que de facto correspondeu ao fim do regime fascista. Ou seja, em 58 era ainda impossível descortinar qualquer hegemonia das “mundivisões marxizantes e revolucionárias” na sociedade portuguesa. É bom não esquecermos que Salazar ainda em 1961, com os acontecimentos no Norte de Angola e a sua exigência de ir para lá e em força, tinha conseguido de novo a mobilização de certas camadas populacionais, do campesinato a certa pequena-burguesia citadina. Só posteriormente, com o arrastar da guerra e a emigração para França da grande base de apoio do clericalismo e do salazarismo, se começa a verificar uma nova correlação de forças desfavoráveis à ditadura e à criação de uma cultura de resistência à mobilização para a guerra colonial.

Se o Maio de 68 teve sem dúvida efeitos na esquerdização da juventude e por reflexo na sociedade portuguesa, é evidente que não foi o único evento que provocou essas alterações. A queda de Salazar e a nomeação de Marcelo, tendo provocado algumas ilusões em certa “oposição”, possibilitou ao mesmo tempo o seu revigoramento. Basta pensar que as eleições para Assembleia Nacional, que tiveram lugar em 69, com o reforço do trabalho de base promovido pela CDE, nessa altura uma coligação de comunistas e católicos progressistas e de “outros democratas”, como se dizia então, teriam sido impossíveis nos anos de chumbo de Salazar. Basta comparar com as anteriores, de 65.

Mas, mais do que isso foi todo o clima cultural e politico criado na época. A conquista dos sindicatos fascistas pelos trabalhadores e a formação da Intersindical foi um facto de enorme importância. Quem esquece as manifestações à hora do almoço dos bancários, essa classe tão recuada, a propósito da prisão de um dos seus dirigentes, o Daniel Cabrita.

A criação de cooperativas culturais e livreiras, onde se procedia à realização de colóquios e à venda de livros, muitas vezes proibidos. A realização dos Congressos Republicanos em Aveiro. A manutenção sobre formas legais e semi-legais da CDE durante todo esse período.

Mas também o que se lia. O próprio panorama editorial se modificou: editou-se Lenine, dando-lhe o nome de baptismo, Ulianov. O revigoramento do jornal República e de grande parte da informação regional, como o Jornal do Fundão, o Notícias da Amadora, e o Comércio do Funchal. Revistas como a Seara Nova, a Vértice e o Tempo e o Modo tiveram grandes tiragens.

As canções que se ouviam: José Afonso e Adriano, mas a seguir todos os baladeiros. Até já nem o Festival da Canção escapava, com as letras do Ary dos Santos.

É a tudo isto que chamo as alterações de relação hegemónica que se deram a favor da esquerda, das mudanças revolucionárias, se quiser do anti-fascismo, que se verificaram nas vésperas do 25 de Abril e a que os militares não ficaram imunes, no Continente e nas colónias. Em 1970, dá-se a incorporação dos expulsos da Universidade de Coimbra pelo Governo devido à crise de 69. Em Abril de 1970, na minha incorporação, fui encontrar muita desses estudantes, o que necessariamente ia ter reflexos nas companhias que partiam para África.

E aqui entronca outra das discussões que se travou há tempos na blogosfera a propósito de um artigo de Pacheco Pereira sobre a guerra colonial. Se todos os que nos opúnhamos àquela guerra tivéssemos desertado, a nossa intervenção junto dos militares no activo tinha sido insignificante e não teria depois a importância que veio a ter na sua insubordinação e adesão a muito dos princípios da própria luta de libertação dos povos coloniais.

Quero com tudo isto dizer que houve uma alteração hegemónica cultural e política, que se verificou a partir de 69, que apressou o fim do marcelismo, motivou um grupo de militares da baixa patente e permitiu a explosão revolucionária do pós-25 de Abril.

Por tudo isto, considero que os problemas da hegemonia cultural e política deveriam ser hoje um tema central do nosso debate político contemporâneo.
PS.: Este texto foi publicado igualmente em http://trix-nitrix.blogspot.com/

O socialismo morreu ? Viva o pós-capitalismo !

.







Inspirado pelo filme "Adeus Lenine", João Cardoso Rosas escreveu no Diário Económico um artigo intitulado "Adeus Socialismo" que conclui desta maneira:

"Mais cedo ou mais tarde, os socialistas terão de reconhecer, em nome da honestidade intelectual, que o projecto de uma sociedade socialista caducou. No tempo que passa, o ataque às liberdades económicas e ao mercado e a defesa da socialização dos meios de produção – e o que é o socialismo, senão isso? – apenas conduziriam ao isolamento, ao empobrecimento e à entropia social. Por isso seria bastante melhor para todos, incluindo para os próprios, que os socialistas permitissem que a sua matriz ideológica se confrontasse com a realidade, sem terceiras vias nem outros subterfúgios. Essa confrontação deixaria claro que, ao contrário do que dizem alguns dos seus adversários, não é verdade que os socialistas tenham traído a sua causa. A causa é que acabou. Ou seja, ela deixou de fazer sentido face à evolução do mundo."

Vital Moreira, em respostas no Causa Nossa e no Público de hoje, discorda nestes termos:

"Segundo, apesar desse abandono da "economia socialista", não é ilegítimo que os partidos socialistas conservem a antiga denominação, dado que continuam a lutar pelas suas principais bandeiras na esfera social, designadamente direitos sociais, inclusão social, coesão social, Estado social, enfim, justiça social. Em suma, os partidos socialistas há muito disseram adeus ao "socialismo económico", mas os ideiais socialistas nunca se limitaram a isso. Por isso, dizer "adeus ao socialismo", como quer JCR, é por um lado redundante e por outro lado indevido."

Apetece-me responder aos dois de uma só vez.

Concordo que a situação é de esquizofrenia, no sentido em que se fala muito em socialismo sem se saber o que tal possa hoje significar, mas não está demonstrado que tenha necessariamente que ser assim.

Quanto a mim "sociedade de mercado", aquela que para existir depende das trocas económicas entre os seus membros, é onde vivemos há milhares de anos e onde vamos provavelmente continuar a viver. Coisa distinta é a "sociedade capitalista", ou seja aquela em que a relação de produção predominante é o assalariamento, o trabalho medido por tempo e retribuído com salário. Esta só existe há umas centenas de anos e, pela ordem natural das coisas, terá certamente um fim. Os dois autores em análise parecem argumentar como se ambas fossem não só a mesma coisa mas também realidades eternas. Vital e Rosas confundem mercado com capitalismo para poderem vender a perenidade do segundo com base na necessidade óbvia do primeiro.

Onde Cardoso Rosas e Vital Moreira divergem é na definição de Socialismo: para o primeiro ele pode resumir-se à "socialização dos meios de produção" enquanto que para o segundo basta manter de pé umas quantas "bandeiras na esfera social" para ter direito ao franchising.

Aquilo que virá depois da "sociedade capitalista", na acepção indicada mais acima, podemos chamar-lhe várias coisas. Se calhar, em homenagem aos percursores, vamos chamar-lhe socialismo. Porém essa sociedade pouco terá a ver com as experiências prematuras ocorridas na URSS e seus anexos em que, por manifesta incipiência tecnológica e científica, era impossível aceder a um novo patamar na organização social da produção. Será certamente uma "sociedade de mercado", no sentido que lhe dei mais acima, mas não será uma sociedade baseada no assalariamento mesmo que "adocicado" com umas quantas "bandeiras na esfera social".

Seja como fôr a ideia socialista esteve sempre ligada à criação de uma sociedade de novo tipo, com relações económicas que se desenrolam em bases qualitativamente novas e mais justas. A "socialização dos meios de produção" é uma expressão ambígua onde cabe quase tudo. As tecnologias actuais, só por si, parecem estar a produzir esse tipo de resultado.

O que os socialistas, ou que se reclamam como tal, deviam era tentar perceber como o "novo trabalho", criativo, descontínuo e de duração irrelevante, está a tornar o assalariamento inviável pois esse é o processo que, paulatinamente, obrigará a sociedade a inventar o pós-capitalismo, seja ele qual for.

O perigo das promessas



_______________________________________________________
Esquisso de Karl-Ernst Herrmann


Fabio Biondi apresentou ontem um maravilhoso Idomeneo, em versão de concerto, no Grande Auditório da Gulbenkian. Mozart compôs em 1781 esta ópera sobre a história do rei de Creta que, durante uma tempestade, promete a Neptuno sacrificar a primeira pessoa que encontrar no caso de se salvar do naufrágio. Acontece que encontra o seu próprio filho que deixara ainda criança quando partira para a guerra de Tróia.

Moral da história: nunca se deve fazer negócios com as divindades.
No fim da ópera Neptuno mostra clemência e tudo se salda pela renuncia de Idomeneu, substituído no trono por seu filho Idamante.

Os músicos da Europa Galante tocaram divinalmente e os cantores (Ian Bostridge, Emma Bell, Kate Royal, Benjamin Hulett e Christine Rice) bastante equilibrados e com belíssimas vozes, arrancaram uma enorme ovação.

Finalmente, o horário do espectáculo foi excelente para dietas de emagrecimento; começou às 19 e acabou depois das 22, substituindo-se assim a um potencial jantar.

Mas valeu a pena.

segunda-feira, maio 12, 2008

Sectarismo no Avante!


Num artigo de um tal Henrique Custódio, na rubrica A Talho de Foice, do jornal Avante!, é feita referência a uma comemoração que ia ter lugar no ISCTE, no dia 10 de Maio, promovida pelo Bloco de Esquerda sobre o Maio de 68.

Logo, no próprio título do artigo se inicia a provocação, O Maio deles, dando a sensação que os do PCP comemoram um outro Maio, o dos trabalhadores, esquecendo que dias antes trabalhadores do PCP e do BE e de outras tendências tinham desfilado até à Alameda Afonso Henriques sob a bandeira da CGTP.

Acho também estranho que se considere como o Maio deles, o Maio de 68, quando o PCP, que eu me recorde, organizou, numa outra data redonda, um colóquio sobre o Maio de 68. Mas, passemos adiante.

Depois toda a prosa do artigo tem um tom chocarreiro, normalmente utilizado para retratar as iniciativas do primeiro-ministro ou da direita. Assim, um almoço transforma-se em “patuscada”, o “comício da praxe é abrilhantado pelo inevitável Francisco Louçã, esse líder fatal das “esquerdas” e são promovidos “artistas mimosos” de uma dada banda.

Depois, é insinuado que “por um conto réis ida-e-volta” se podia vir “passear” a Lisboa, para ouvir o Louçã, tal como os “excursionistas que vinham aos Maios promovidos pelos salazaristas nunca souberam quem era o tal “Baltazar” (faz referência à canção do Sérgio Godinho) que lhes pagava as viagens”. Ou seja, concretizando, as pessoas que vinham ouvir o Louçã, vinham só porque lhes pagavam a viagem, tal como no tempo de Salazar se fazia, quando se queria uma sala cheia.

O tom continua, agora fazendo referência a onde é que o Bloco foi arranjar dinheiro para fazer tal comemoração, já que os preços de participação eram baixos.

E termina, afirmando que o BE já arranjou lugar para si, “como se vê por esta adaptabilidade aos truques “do mundo novo” que medra por aí”.

Sei que o Daniel de Oliveira já tinha feito um post sobre este mesmo assunto, no entanto, não quis deixar de lhe fazer referência, tal é a rasquice e o sectarismo que medram na mente de certos escribas do Avante!, com a autorização do seu Director, o José Casanova.

Em todo o artigo não há uma ideia sobre o Maio de 68, alguma divergência sobre a oportunidade da comemoração, só há galhofa e graves insinuações sobre um tipo de realização que é, do ponto de vista organizacional, igualzinha às do PCP.
PS.: Este texto foi publicado igualmente em http://trix-nitrix.blogspot.com/

domingo, maio 11, 2008

Hugo Chávez apoia China contra 'planos separatistas' do Tibete



O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, deu o seu apoio na noite de sexta-feira ao governo da China contra "os planos separatistas" do Tibete e criticou as "pretensões" daqueles que condenam os próximos Jogos Olímpicos.

"Ratificamos nosso apoio à China em sua batalha contra os planos separatistas", disse Chávez por ocasião da visita a Caracas do vice-primeiro-ministro do Conselho de Estado da China, Hui Liangyu, transmitido em cadeia nacional de rádio e TV.

"Condenamos a agressão contra a China manipulada com sentimento religioso, agora sobretudo no Tibete", declarou o venezuelano.

"Tudo isso é culpa do império (Estados Unidos)", acrescentou Chávez, que nesta semana afirmou que a oposição venezuelana tem um plano para impulsionar iniciativas separatistas no Estado venezuelano produtor de petróleo de Zulia (noroeste).

"Condenamos a pretensão imperialista de sabotar os Jogos Olímpicos", afirmou o presidente sobre o uso político que tem sido feito da Olimpíada para promover a causa tibetana.

sexta-feira, maio 09, 2008

Made in China

.



.

E se houvesse um novo 25 de Abril ?

.


Nas andanças recentes à volta das recordações de Maio fui dar com uma brochura, publicada em Maio de 1975 pelo Ministério da Comunicação Social, contendo o discurso de Vasco Gonçalves no 1º de Maio. É o famoso "Discurso da Batalha da Produção".




"O desencadeamento da batalha da produção é, portanto, uma necessidade imediata e imperiosa nas actuais condições.
O papel principal nesta batalha da produção pertence a vós, trabalhadores que, hoje, dadas as medidas já tomadas contra o capital monopolista e latifundiário, no sentido do domínio pelo Estado de sectores básicos da produção e do arranque da reforma agrária, têm a garantia que o seu trabalho e a sua opção reverterão em benefício da colectividade e não em benefício das classes privilegiadas.
Que pede, então, o MFA aos trabalhadores?"


E mais à frente:

"A batalha da produção exige, de todos nós, mais trabalho, mais imaginação criadora, procura de soluções mais económicas para os problemas e mobilização revolucionária no trabalho. O povo deve procurar em si toda a capacidade criativa que possui. O MFA e o Governo Provisório estimularão a criatividade popular, certos de que ela é indispensável na construção do novo Portugal. Neste campo continuarão a desempenhar papel fundamental as Campanhas de Dinamização Cultural e Cívica, desenvolvidas pelas Forças Armadas. É necessário promover uma autêntica revolução cultural no seio do nosso povo, abrir o nosso povo a ideias novas.
É necessário que as empresas de ponta dêem exemplos revolucionários de trabalho. Estas empresas devem constituir a vanguarda da batalha da produção. Os trabalhadores das empresas nacionalizadas e das empresas públicas devem fazer delas modelos de rentabilidade. ".


A leitura do discurso deixou-me a sensação de que, esgotado o receituário da época (nacionalizações, reforma agrária, etc) Vasco Gonçalves passava formalmente a "bola ao povo". Ao mesmo povo que votara a 25 de Abril maioritáriamente no PS ( 37,87 %) e PSD ( 26,39%), no "centrão" portanto, para a Assembleia Constituinte. O resultado já todos sabemos qual foi.

Quando hoje oiço dizer que "o 25 de Abril não se cumpriu integralmente" e até que "isto precisava era de um novo 25 de Abril" eu interrogo-me.

Suponhamos então que, por absurdo, um grupo de capitães decidia em 2008 fazer um "novo 25 de Abril", e que entregava o poder ao Bloco de Esquerda e ao PCP, verdadeiros depositários das memórias revolucionárias.

A pergunta é: o que é que eles faziam ? nacionalizavam tudo outra vez ? ressuscitavam a Reforma Agrária ?

No plano da transformação do modelo económico e das relações de produção, da propriedade e das classes, o que é que um poder revolucionário de esquerda faria ?

Tenho a sensação de que estamos exactamente como há 33 anos, de que em todo este tempo não houve qualquer desenvolvimento teórico à esquerda e que, portanto, só lhes restava tornar a "passar a bola ao povo".

Como sou chato tenho a mania das perguntas difíceis...

quarta-feira, maio 07, 2008

1968




É o ano da «explosão» da contes­tação total: a da juventude contra a sociedade, a dos negros contra os brancos, a dos comunistas contra Moscovo, a dos católicos contra o Vaticano...
Acaba o pacifismo: Martin Luther King é abatido a tiro, em Memphis; as "panteras negras" manifestam-se nas olimpíadas do México; Robert Kennedy, outro norte-americano conhecido pelas suas posições a favor da integração racial, antigo braço direito do seu ir­mão John Kennedy enquanto este foi presidente dos Estados Unidos, é igualmente abatido a tiro.
Em Fevereiro a ofensiva do Tet surpreende os americanos em 100 cidades e bases militares no Vietname. Na América os estudantes gritam «Get out of Vietnam» e põem Chicago de pernas para o ar em Agosto, durante a Convenção do Partido Democrático, com um balanço de 700 feridos.
Em França, a 4 de Maio, estudantes e professo­res da Sorbonne desencadeiam uma greve que alastra por todo o país. E quase a guerra civil. A Fran­ça está paralisada, combate-se nas ruas de Paris; Mao, Mihn e Guevara são os «heróis», Daniel Cohen-Bendit, lider do «Maio de 68» fala de «democracia directa».
Marcuse é o teólogo do movi­mento, tanto como Malcolm X é da revolta dos negros ou o checoslovaco Dubcek do «não» a Moscovo.
Uma gigantesca manifestação de apoio a De Gaulle, a 30 de Maio, a que se seguiu a maior maioria absoluta da história da democracia Francesa, nas eleições de Junho, acabaram com a experiência que ainda hoje é recordada com emoção por todos aqueles que a viveram.
Se a França vive o seu "inverno social e político», a Checoslováquia respira «Primavera». A Primavera de Praga como ficou conhecida a libe­ralização lançada pelos dirigentes comunistas checoslovacos que ou­sam dizer «não» ao Kremlin, «abrin­do-se» a Ocidente: no dia 20 de Agosto, tanques do Pacto de Varsó­via invadem a Checoslováquia e, pe­la força, põem termo a tanta ousadia.
Em Setembro, a Inglaterra pode assistir à estreia do musical «Hair» sem qualquer obstrução à ideia ori­ginal dos seus autores: tinha sido abolida a censura teatral e o nu su­bia ao palco tal como nos Estados Unidos.
O cosmonauta norte-americano Frankie Bornam lê os primeiros versículos do «Génesis» a dois pas­sos da Lua. Nasce a "Teologia da Libertação" na Assembleia do Episcopado Latino-Americano.
Em Portugal, vítima de queda, Salazar é hospitalizado a 7 de Setembro. 19 dias mais tarde, em comunicação ao País, Américo To­más põe termo aos 40 anos de po­der do ditador de Santa Comba. No­meia Marcelo Caetano para substi­tuir Salazar. E o substituto diz: «quero os portugueses todos uni­dos, mas sem pactuar com o comunismo».
Mário Soares é deportado para S. Tomé e um grupo de católicos desafia o regime numa vigília na Igreja de S. Domingos em Lisboa. A RTP 2 inicia as emissões e Cardoso Pires publica "O Delfim".

«2001 Odisseia no Espaço» de Kubrick, «Bullit», «Rosemary's Baby», «The Thomas Crown Affair» são os filmes do ano, Steve McQueen a grande vedeta.

Dos Beatles vê-se «Yellow Submarine» e ouve-se «Hello Goodbye», «Hey Jude» (primeiros lugares nos Esta­dos Unidos e em Inglaterra) e «Lady Madonna» (1.° lugar em Inglaterra). «Hey Jude» é mesmo a canção do ano: 9 semanas em n.° 1 nos EUA.
A revelação chama-se Joe Cocker com a incomparável versão de «With A Little Help From My Friends» canção da autoria da du­pla beatleniana Lennon/McCartney. Pois, de quem havia de ser?
__________________________


Mesmo em 1968 o Maio de Paris está longe de ser, sem contestação, o facto mais relevante.

As razões desta cronologia estão explicadas aqui.

1967

.

O símbolo da revolução armada, Ernesto «Che» Guevara, um argenti­no que contribuirá poderosamente para a vitória da Revolução Cubana, morre na Bolívia a 7 de Outubro. O seu corpo desaparece e há quem di­ga que foi semeado. A intenção era a de não transformar o seu túmulo no centro de romagem, mas a sua imagem é difundida e comercializa­da em todo o mundo: posters, t-shirts, postais, livros, discos, tudo serve para «vender» aquela cara simpática ornamentada por uma boina basca onde brilha uma estre­la de cinco pontas.
A história de «Che» Guevara che­ga, também, à banda-desenhada.
As «histórias aos quadradinhos» tor­nam-se vedetas, as de Astérix e dos seus amigos as maiores de todas.

Em Outubro dezenas de milhares de jovens cercam o Pentágono, em manifestação contra a guerra do Vietname. O edifício fica envolto em fumo e gás lacrimogénio e são presas centenas de manifestantes.

Mas este é ainda, um ano de guerra. A dos 6 dias, iniciada em 5 de Junho, constitui a mais fulminante vitória israelita sobre os ára­bes. O Médio Oriente está a ferro e fogo e é, também a ferro e fogo que se encontra o Vietnam, a Nigéria, o Congo. Em Abril, na Grécia, os coronéis tomam o poder.

A 2 de Dezembro, num hospital da Cidade do Cabo, na Áfri­ca do Sul: Christian Barnard realiza a primeira transplantação cardíaca. O paciente vive com o novo coração durante 18 dias.

Paulo VI vem a Portugal (para se «limpar» perante Salazar da audiência que concedeu aos líderes dos movimen­tos de libertação Agostinho Neto, Amilcar Cabral e Eduardo Mondlane).
É o ano em que a LUAR assalta o Banco de Portugal na Figueira, o ano dos "ballets roses" e das cheias em Lisboa que matam centenas de pessoas.
«Baladas e Canções» do Zeca Afonso e «O Canto e as Armas» de Manuel Alegre.

«Bonnie And Clyde», «The Graduate («A Primeira Noite»), «Adivi­nhe Quem Vem Jantar», «No Calor da Noite» e, especialmente, «Um Homem e Uma Mulher» dominam as tabelas dos filmes «mais vistos». Bergman filma «Persona».

Nos Estados Unidos a expres­são da revolta surge na «soul music», Otis Redding à cabeça do movimento. É, no entanto, Aretha Franklín quem alcança o n.° 1 do top americano ( com «Respect», de Otis Redding) dominado por «I’m A Believer», dos Monkees (seis sema­nas na liderança). Os Rolling Stones regressam aos primeiros lugares («Ruby Tuesday» nos Estados Uni­dos) e os Beatles continuam à fren­te nos dois lados do Atlântico: «Penny Lane», «All You Need Is Love» e «Héllo Goodbye» são primei­ros lugares na América, os dois últi­mos temas alcançam idêntica posi­ção em Inglaterra.

__________________________


Guevara e Zeca são os nomes-chave deste ano. A força dos protestos contra a guerra do Vietname também.

As razões desta cronologia estão explicadas aqui.