sábado, setembro 15, 2018

Em defesa das selfies





Em defesa das selfies
Ao longo de milénios os seres humanos viveram sob o jugo de uma impossibilidade; mostrar aos outros aquilo que tinham visto. Claro que podiam fazer uns rabiscos, como nas pinturas rupestres, ou então fazer longas descrições orais, ou escritas, que ficariam sempre a léguas do original.
Em meados do século dezanove, apenas há 170 anos, a fotografia irrompeu como uma esperança. Finalmente podia pegar-se numa folha de papel e mostrar ao vizinho do lado a praia do último verão.
Mas o processo era complicado e oneroso. E de qualquer forma a exibição da imagem abrangia sempre um número muito pequeno de pessoas.
A representação digital das imagens, que em termos práticos não terá mais do que 30 anos, acelerou sem dúvida a produção de réplicas. Uma vez "scanadas" as fotografias obtidas em película podiam ser replicadas sem esforço de maior.
O problema é que ainda há 20 anos a transmissão electrónica das imagens, em rede, só era exequível para imagens de baixa resolução e com tamanhos muito limitados.
Todos nos lembramos daqueles "sites", um pouco mais carregados de fotografias, que demoravam dez minutos a abrir.
Nessa altura surgiram as câmaras digitais que dispensavam o processo de scanning, o que era muito mais prático mas que obrigava à tarefa de descarregar as fotos da câmara para o computador.
As redes evoluíram e tornaram-se mais rápidas. Os telemóveis foram dotados de câmaras e, em anos recentes, foi finalmente possível captar uma imagem e divulgá-la na rede instantâneamente.
Se a história da humanidade fosse o equivalente de 100 anos, esta fase em que estamos corresponderia aos últimos 10 segundos.
Digam lá se não é caso para ficar eufórico e passar a vida a dizer "vejam onde eu estou", "vejam quem me está a dar beijinhos" e outras infantilidades.

quinta-feira, setembro 13, 2018

quarta-feira, setembro 12, 2018

Os mitos dos eucaliptos


Os mitos dos eucaliptos
Hoje estive no interior do país, na zona dos Passadiços do Paiva. Ao longo do caminho vi constantemente cabeços, colinas e serras cobertas de eucaliptos de alto a baixo.
Apesar de toda a retórica da "limpeza das matas" do Cabrita, um cretino alçado a ministro, há eucaliptos e outras árvores ao longo das estradas. Em certos sítios os eucaliptos jovens, nas bermas, só faltava entrarem pela janela do carro.
Só alguém que vive num ministério em Lisboa pode falar do "ordenamento da floresta" como uma coisa económicamente viável. Milhares de hectares ocupados pelos eucaliptos, em encostas íngremes e pedregosas, dificilmente terão a sua ocupação modificada, até porque o eucalipto é uma árvore que depois de cortada, ou ardida, renasce a breve trecho de forma ainda mais caótica. Vêem-se vastas zonas ardidas há um ou dois anos em que os eucaliptos já crescem de novo sem qualquer intervenção humana.
O eucalitpto veio tornar produtivos muitos territórios que nada rendiam e, ainda por cima, reconstitui-se depois das catástrofes sem onerar os proprietários.
Para o bem e para o mal o eucalipto está para ficar, e todo o planeamento estratégico terá de partir desta realidade.

terça-feira, setembro 04, 2018

domingo, setembro 02, 2018

segunda-feira, agosto 27, 2018

Feira de Grândola



Uma tradição familiar

domingo, agosto 19, 2018

19 de Agosto - Dia Mundial da Fotografia



19 de Agosto - Dia Mundial da Fotografia 
Eu e o homem que fotografei há 50 anos, em Farim na Guiné. 
É conhecido na sua terra por "120" já que, dizem, morreu com essa idade. 
A fotografia é isto; na tabanca mandinga onde ele viveu, 
o aparecimento das suas fotografias foi uma festa da memória colectiva.

quinta-feira, agosto 16, 2018

Peter Hugo






PETER HUGO 

"Between the Devil and the Deep Blue Sea"
Quem ainda não viu esta exposição, no CCB, não sabe o que está a perder. Brutal.

quarta-feira, agosto 15, 2018

sexta-feira, agosto 10, 2018

domingo, agosto 05, 2018

O veto passa ao lado do problema


Marcelo bate completamente ao lado do verdadeiro problema ao vetar a lei por razões secundárias. Será que ele considera razoável, num prédio de dez andares e apenas um inquilino no 3º Esq., obrigar o senhorio aos prazos e custos da passagem a propriedade horizontal do prédio todo para dar a preferência de compra de uma fracção? Isso vai inviabilizar muitas vendas de pessoas que herdaram um prédio velho e que não têm posses para o recuperar. Conheço casos concretos. Uma verdadeira aberração, com pretexto em alguns casos pontuais de grandes investidores, mas que vai prejudicar muita gente.

terça-feira, julho 31, 2018

O Verão chega lentamente


A Rafaela na Galé

quarta-feira, julho 25, 2018

domingo, julho 22, 2018

Mais uma história tipicamente portuguesa.



Mais uma história tipicamente portuguesa. 
Em 2013, o atual presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo organizou um velório, com coroa de flores e tudo, por causa da subconcessão à West Sea e à Martifer das instalações dos estaleiros de Viana do Castelo. 
A 20 de Julho, aconteceu o seguinte:
- É baptizado o primeiro navio a sair dos estaleiros da West Sea;
- O presidente da Câmara está presente na cerimónia, mas o ministro que ele contestou e que encomendou o navio, José Pedro Aguiar Branco, não;
- A madrinha de baptismo do navio, que lançará uma garrafa contra o casco, é a mulher do primeiro-ministro António Costa.

domingo, julho 15, 2018

terça-feira, julho 10, 2018

domingo, julho 01, 2018

quinta-feira, junho 28, 2018

Cimeira


quarta-feira, junho 27, 2018

A "limpeza da florestas"



Apesar da retórica da "limpeza da florestas" continua a haver estradas com eucaliptos até à berna, de um lado e do outro. Fornos em potência. Esta está em Santiago.

quinta-feira, junho 14, 2018

O jogo da sardinha



No intervalo das negociações o Donald e o Kim aproveitavam para jogar à sardinha

segunda-feira, junho 04, 2018

quinta-feira, maio 31, 2018

Não é só no BES e na CGD




Não é só no BES e na CGD
No meu bairro o Estado também enterra dinheiro nos bancos. Não temos um Novo Banco, temos vários (onde nunca vi ninguém sentado)


segunda-feira, maio 28, 2018

quarta-feira, maio 23, 2018

E viva o fim da austeridade




E viva o fim da austeridade 

sexta-feira, maio 18, 2018

Surpresas


segunda-feira, maio 14, 2018

Oficial de serviço




Oficial de serviço

O tenente estava de oficial de serviço naquele dia.
Deixou o quarto que partilhava com dois colegas, ao fundo da parada, e caminhou pela noite enluarada na direcção do gabinete. Estava taciturno, colonizado pelas recordações da fugaz lua-de-mel, que antecedera o embarque para a Guiné.
O asfalto da parada fervilhava de minusculos sapos. Ele desviava os passos para evitar a horrível sensação de esmagar algum debaixo da sola. Uma gincana.
Então resolveu apanhar do chão alguns daqueles batráquios suicidas que pulavam em seu redor. Nos duzentos metros da parada, sem esforço de maior, recolheu uns sete ou oito.
Comichavam nas palmas das mãos e nos bolsos onde alguns tinham ido parar. Foi precisa uma certa habilidade para receber as indicações do oficial de serviço cessante, com a bicharada aos pulos. Mas o outro queria era safar-se dali o mais depressa possível.
Tomou posse do espaço. O gabinete tinha uma secretária metálica, de cinzento indefinível, e uma pequena estante de vidros de correr. Uma porta, por trás, dava para um cubículo com uma cama precária onde, altas horas, se não houvesse bronca, se podia dormitar.
Os sapos destinavam-se a amenizar as largas horas de pasmaceira que o tenente antecipava. Sob a luz mortiça do tecto, algum resto de jornal retardado costumava ser a companhia. Coisa deprimente.
Foi tirando os sapos dos bolsos e alinhou-os numa das extremidades do tampo da secretária. Não era nada fácil dar o sinal de partida para a corrida pois alguns sapos antecipavam-se e desatavam aos pinotes antes de tempo. Outros então, só com piparotes no traseiro iniciavam a participação.
Mas havia uma dificuldade adicional. Perante a inexistência de pistas individuais os sapos cruzavam-se desordenadamente e, em vez de caminhar para o outro extremo do tampo, precipitavam-se pela borda fora estatelando-se no chão.
Após várias tentativas, que ajudaram a passar a primeira das doze horas do encargo, o tenente fartou-se de aturar os sapos. Pegou na trupe, conforme pôde, e despejou-a no ajardinado adjacente ao gabinete. E ficou cara a cara com o tempo, e a chatice, que ainda faltava.
Voltou para a secretária e lamentou não ter trazido o livro que andava a ler. Embrenhou-se nos pensamentos. A sua mulher, cuja vinda tanto ansiava, mandara dizer que estavam completos os últimos exames da licenciatura. Tinha tido 18 valores a “História de não sei quê”, pois sempre fora boa aluna. Acabaria no liceu de Bissau a ensinar aos miúdos guineenses as glórias do Afonso Henriques.
Estava ele nesta modorra quando assomou à porta do gabinte o cabo Joel, atarracado e de boné sempre tombado nos incertos cabelos. O tenente não se pode dizer que simpatizasse muito com ele.
Com a sua voz rangida disparou: “Prenda-me senhor tenente”. O tenente, siderado, não sabia muito bem o que responder. Engoliu em seco duas vezes e depois disse baixinho “Põe-te a andar antes que eu me chateie”.
E o Joel insistiu: “Prenda-me, prenda-me senhor tenente”. O tenente levantou-se devagarinho, apontou para a porta do gabinete e gritou “Se não te pões a andar imediatamente chamo a guarda e levas um enxugo de porrada” e acrescentou alguns impropérios cuja reprodução a delicadeza não recomenda.
O outro lá se dirigiu para a porta, contra-feito, a resmungar, e desapareceu no escuro. O tenente voltou a sentar-se ainda confundido com a cena inédita que tinha presenciado. Um tipo aqui, lixado da cabeça, e leva com um anormal daqueles. Só espero nunca chegar ao estado em que ele está.
Não lhe saía da cabeça e e fez play-back da cena várias vezes. A certa altura apercebeu-se de um pormenor que não tinha relevado antes. O Joel, o tal chato, tinha entrado no gabinete com os bolsos atafulhados dabe-se lá de quê. Os bolsos dos calções brancos da farda entumesciam de uma forma inusitada. Só a irritação tinha impedido o tenente de lhe perguntar que raio era aquilo.
E o tempo voltou a rastejar como de costume naquele gabinete. E muita sorte tinha o tenente por se estar na estação seca. Ao menos não se tinha que aturar os mosquitos.
Com as coisas neste ponto morto, tocou o telefone. Mau, mau, querem ver?
O tenente pegou no auscultador como se tivesse peçonha e começou, mesmo antes de o levar à orelha, a ouvir uma gritaria do outro lado. “Senhor tenente! venha depressa! ao café Império! Está aqui um fuzo, na esplanada, a tirar granadas de mão dos bolsos e a pôr em cima da mesa”.
Raios parta, temos chatice. Mandou chamar o sargento da guarda e preparar a carrinha “creme nívea”. Pôs a pistola à citura, reuniu meia dúzia de homens estremunhados, e lá partiram avenida acima para o café Império.
Os clientes estavam espalhados pelo passeio, em pequenos grupos, e gesticulavam. O gerente saíu ao encontro da carrinha da guarda, de avental, e berrou: “Foi-se embora meu tenente! fugiu por ali!” e apontava para lá do Palácio do Governador, para a zona das vivendas finas onde se alojavam altas patentes e estados maiores.
O tenente deu ordens para arrancar, torneando a praça, e patrulharam demoradamente toda a zona das vivendas. A busca parecia destinada ao fracasso.
A certa altura, já numa avenida onde as vivendas terminavam e começavam as palhotas avistaram ao longe o Joel, ou o diabo por ele. O tenente gritou com o motorista mas, quando alcançaram, não conseguiram mais do que ver o Joel, todo nu, com a farda enrolada debaixo do braço, atravessar a avenida a correr e meter-se, tal e qual, pelo escuro da tabanca.
E quem é que se atrevia a entrar por ali dentro atrás dele?
O tenente deu ordem de retirada. No livro de ocorrências escreveu "um fuzileiro não identificado causou burburinho na esplanada do café Império e depois fugiu antes que a guarda chegasse".
Nunca se chegou a saber quando, e em que preparos, o Joel regressou à unidade.

quarta-feira, maio 09, 2018

15 de Setembro de 2004




Uma simples revista, publicada em Setembro de 2004, que se tivesse sido lida no Largo do Rato em tempo útil poderia ter evitado toda esta vergonha. Está na altura de rever a lista de assinaturas de publicações periódicas.

terça-feira, maio 08, 2018

quinta-feira, maio 03, 2018

Qual?


terça-feira, maio 01, 2018

Sementes de Cravo



Sementes de Cravo
Há precisamente cinquenta anos, a 1 de Maio, o tenente zarpou para a Guiné.
A fragata NRP Corte Real saiu a barra do Tejo ao cair de um dia que se mativera cinzento desde a manhã.
O tenente, recém-casado, passara um par de horas a ver a maré deslizar para montante, com Lisboa a estibordo. Só quem viveu os anos 60 em Portugal pode imaginar a desolação que se apoderara do seu espírito.
A navegação foi pacífica, com mar chão e sem borrascas. Os jovens oficiais dos fuzileiros, a caminho da guerra, viviam plácidamente aqueles dias em convívios demorados, pontuados pelas refeições.
Na sala dos oficiais liam, jogavam e também escreviam cartas às suas jovens esposas que tinham ficado em Lisboa.
O tenente, que militava em segredo contra a guerra, aproveitou para ler "Os condenados da terra", como parte da sua preparação psicológica para aquilo que julgava ir encontrar. Mandou dizer isso à mulher, numa carta que escreveu a quatro de Maio, no alto mar.
Naquelas condições a viagem parecia uma eternidade. De quando em vez avistavam navios ou grandes animais marinhos. Golfinhos, raias gigantes ou cachalotes. Quando já adivinhavam a costa africana, na latitude do Senegal, divertiam-se a observar os peixes voadores fazendo negaças à ondulação.
A 6 de Maio entraram no Geba e subiram para fundear frente a Bissau.
Já lá se encontrava um "transporte de tropas" do exército, com centenas de homens vestidos de verde, empoleirados como podiam, almejando perceber onde tinham vindo parar.
Muitos deles eram originários de vilas e aldeias do interior de Portugal, provavelmente na sua primeira viagem digna desse nome.
O tenente veio a saber mais tarde que os veteranos, que aguardavam a rendição em terra, designavam esses recém-chegados que os vinham substituir, carinhosamente, por "periquitos".
A fragata não se confundia com tais coisas; era um vaso de guerra, aparelhado e organizado nessa base, mesmo quando no seu bojo transportava tropas, como era o caso.
O tenente, tal como os outros camaradas que iriam fazer parte da 6ª Companhia, alongavam-se na amurada apontando binóculos ao casario acastanhado da poeira. A época das chuvas ainda não começara.
Foi preciso esperar, a bordo, até ao dia 8 de Maio para finalmente desembarcar e ocupar os alojamentos no quartel da Marinha junto ao Geba.
Novas rotinas para aprender e novos camaradas para descobrir.
Todos os oficiais acabados de chegar eram obsequiados, na messe do quartel, com um jantar de boas-vindas.
O tenente escreveu, a propósito, numa carta para a mulher de 12 de Maio:
"Ontem foi a minha festa de chegada.
Todos os oficiais (é da tradição) têm que, a um jantar, pagar espumante aos que já cá se encontram. E há sempre muitos discursos.
Todos foram unânimes em que a minha festa tinha sido a mais marcante desde há bastante tempo.
Quando o espumante começou a correr lembraram-se de cantar e descobriram que eu cantava bem. Foi o meu sucesso, cantei várias.
Desde o "Canta camarada canta" aos "Vampiros", passando pelo "Fui-te ver estavas lavando...
Mas não podes imaginar como as coisas aqui se precipitam
Em certo momento o champanhe e o brandy já eram excessivos e já toda a gente gritava em pé em cima das cadeiras"
A mulher do tenente quando recebeu a carta, umas semanas depois, tentou imaginar uma série de barbudos em cima das cadeiras cantando a plenos pulmões:
Canta camarada canta
canta que ninguém te afronta
que esta minha espada corta
dos copos até à ponta
Eu hei-de morrer de um tiro
Ou duma faca de ponta
Se hei-de morrer amanhã
morra hoje tanto conta
Tenho sina de morrer
na ponta de uma navalha
Toda a vida hei-de dizer
Morra o homem na batalha
Viva a malta e trema a terra
Aqui ninguém arredou
nem há-de tremer na Guerra
Sendo um homem como eu sou
Que raio lhes passaria pela cabeça enquanto cantavam?