segunda-feira, Novembro 24, 2014

CURRICULO IMPRESSIONANTE

.





(compilado pelo jornal Expresso 23.11.4014)
As sombras de Sócrates
O nome do ex-primeiro-ministro esteve envolto durante muitos anos em processos de corrupção, mas nunca foi oficialmente suspeito de nada. Até agora.
A primeira vez que José Sócrates foi denunciado por corrupção foi em 1997, há 17 anos. Longe ainda de se tornar líder do Partido Socialista e ganhar as eleições legislativas, o político estreara-se num governo socialista em 1995, assumindo o cargo de secretário de Estado do Ambiente no executivo de António Guterres. Só muito mais tarde surgiram os casos mais conhecidos e polémicos: o Freeport em 2005, que coincidiu com sua ascensão a primeiro-ministro, e, em 2007, o processo da conclusão da sua licenciatura em engenharia civil na Universidade Independente. Em nenhum deles, no entanto, foi constituído arguido.
Cova da Beira. É a história mais antiga a envolver o nome de José Sócrates num alegado esquema de corrupção e está relacionada com a Covilhã, a terra onde cresceu e começou a sua vida profissional. As quatro cartas enviadas à Procuradoria-Geral da República e à Polícia Judiciária entre 1997 e 1998 eram bastante detalhadas. Diziam que Sócrates teria recebido 150 mil contos (750 mil euros) em "luvas" por causa do concurso público para a construção do aterro sanitário promovido pela associação de municípios da Cova da Beira (de que faz parte a Covilhã). Teria sido ele, segundo as denúncias, a nomear a equipa técnica que escolheu o vencedor.
A investigação demorou dois anos a arrancar e, uma década depois, em 2007, acabaram por ser acusadas três pessoas: Horácio Luís de Carvalho, dono da empresa, a HLC, que ganhou o concurso público, pelo crime de corrupção ativa; António José Morais, engenheiro e professor universitário, dono da empresa AS&M, responsável pela análise das propostas a concurso, pelo crime de corrupção passiva; Ana Simões, sócia de Morais e sua mulher à data dos factos, pelo mesmo crime. Os três foram absolvidos em Janeiro de 2013, apesar de o Ministério Público ter recolhido provas de transferências de 58 mil euros de uma conta offshore de Horácio Luís de Carvalho para uma offshore do casal, ambas na ilha de Jersey. A Polícia Judiciária ainda tentou fazer buscas, no início da investigação, à casa de Sócrates, mas o procurador titular do caso achou que eram descabidas.
O ex-primeiro foi, de qualquer forma, ouvido por escrito como testemunha durante a fase de julgamento, negando qualquer envolvimento no concurso. Embora não tivesse sido acusado, Carlos Santos Silva, amigo de longa data de Sócrates e detido esta semana por crimes em que estão os dois implicados, esteve também ligado ao caso Cova da Beira. O seu nome surgia nas denúncias como uma pessoa muito próxima do então secretário de Estado do Ambiente, sendo que era sócio de Horácio Luís de Carvalho numa empresa chamada Conegil, que por sua vez fazia parte do consórcio da HLC que ganhou a adjudicação do aterro.
Licenciatura. Um blogue esteve na origem da divulgação do caso, em março de 2007. Aparentemente, José Sócrates teria obtido o grau de engenheiro civil concluindo a licenciatura na Universidade Independente de forma irregular, em 1996. Quatro das cinco cadeiras feitas naquela instituição tinham sido ministradas por António José Morais, o engenheiro acusado de corrupção no caso Cova da Beira. E os monitores das cadeiras estavam todos eles igualmente envolvidos no concurso público da Cova da Beira, trabalhando como consultores para a empresa de Morais e ajudando-o a escolher tecnicamente qual a melhor proposta.
Nesse mesmo ano, Morais foi nomeado diretor do Gabinete de Estudos e Planeamento de Instalações do Ministério da Administração Interna por Armando Vara, amigo e colega de governo de José Sócrates. E viria a atribuir uma série de trabalhos de fiscalização de obras ao arquitecto Fernando Pinto de Sousa, pai de Sócrates.
Quanto à quinta cadeira, de Inglês Técnico, foi dada pelo próprio reitor da universidade, Luís Arouca, com o exame a ser realizado a um domingo, à mesa de um restaurante. O Ministério Público abriu um inquérito-crime mas arquivou-o logo a seguir, passado dias, alegando que não se provava o eventual crime em causa: falsificação de documento (neste caso, do certificado de habilitações).
Ainda assim, um conjunto de 16 escutas que constavam de um processo-crime relacionado com a gestão da Universidade Independente acabaram por ser divulgadas mais tarde pelo Correio da Manhã. Eram conversas entre Arouca e José Sócrates, gravadas em março de 2007, em que o então primeiro-ministro pedia ao reitor para que não revelasse a um jornalista do Público os nomes dos seus professores.
Freeport. Foi o mais mediático dos processos que envolveram Sócrates. Tornou-se do conhecimento público mal o inquérito-crime foi aberto, em plena campanha eleitoral, quando José Sócrates concorreu pela primeira vez a primeiro-ministro, em 2005, contra Santana Lopes. O enredo envolvia a aprovação ambiental do projecto de outlet Freeport, em Alcochete, numa zona de proteção especial, em 2002, no final do segundo governo de Guterres, quando Sócrates ainda era ministro do Ambiente.
Numa primeira fase, até 2007, o que saiu na imprensa foi contraditório. Sócrates aparecia como suspeito, mas soube-se que a denúncia envolveu um assessor de Santana Lopes, Miguel Almeida, o que retirou credibilidade à tese de que o então ministro teria recebido 500 mil contos em ´luvas'. O caso seria relançado nos media em 2009, quando a TVI divulgou um vídeo clandestino que constava de um processo paralelo em Londres e em que uma das figuras-chave na aprovação ambiental do outlet, o consultor inglês Charles Smith, admitia terem sido pagas luvas ao político, explicando que isso teria sido feito através de um primo.
Apesar de não poder ser admitido como prova em Portugal, o vídeo catapultou a investigação ao caso. A Procuradoria-Geral da República resolveu transferir o processo do Ministério Público do Montijo para o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e destacou dois procuradores para trabalharem a tempo inteiro com a Polícia Judiciária de Setúbal.
Mas no fim o que veio a dominar o processo foi a forma intempestiva como terminou o inquérito, no verão de 2010, com um despacho que incluía 27 perguntas que ficaram por fazer a Sócrates, por falta de tempo. O então ainda primeiro-ministro, já no seu segundo mandato, constara sempre como suspeito não oficial, mas nunca foi constituído arguido ou ouvido sequer como testemunha. Dois consultores, Charles Smith (o homem do vídeo) e Manuel Pedro, foram acusados do crime de extorsão. A tese oficial passou a considerar que, afinal, não tinha havido corrupção. A história teria sido inventada pelos intermediários para poderem receber mais dinheiro do grupo Freeport. Os dois foram a julgamento e o tribunal absolveu-os em 2012, dez anos depois dos acontecimentos.

Face Oculta. Foi o seu último escândalo e rebentou depois de ter sido reeleito em 2009. Alegadamente, José Sócrates terá tentado controlar a TVI, uma estação de televisão que lhe era bastante crítica, e esse controlo passava por a Portugal Telecom comprar a posição dominante no capital social detida pelo grupo espanhol Prisa (dono do jornal El País). Isso não chegou a concretizar-se, mas aconteceram alguns movimentos de bastidores e o Ministério Público chegou a propor um inquérito-crime para apurar se tinha ocorrido um crime de atentado contra o direito de Estado.
O caso surgiu de forma fortuita. A investigação a uma rede de corrupção e tráfico de influência com epicentro em Aveiro, tendo como protagonista um industrial de sucata, Manuel Godinho, envolveu escutas a Armando Vara (amigo de Sócrates e então vice-presidente do Millennium BCP) e a Paulo Penedos, consultor jurídico da Portugal Telecom. Essas escutas, que incluíam conversas entre Vara e Sócrates, levaram o coordenador da PJ Teófilo Santiago e os procuradores João Marques Vidal e Carlos Filipe, em Aveiro, a extrair uma certidão em Junho de 2009 para abrir um processo-crime autónomo. O que se seguiu foi uma sucessão controversa de decisões. O procurador-geral da República, na altura Fernando Pinto Monteiro, enviou as escutas entre Vara e Sócrates para o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, mas Noronha do Nascimento não as validou, mandando-as destruir. O PGR optou por não abrir um inquérito-crime e, para evitar a consulta dos factos por terceiros, fez um arquivamento administrativo, uma figura até então desconhecida e cuja legalidade foi posta em causa por muitos juristas.
No fim, e depois de fazer correr muita tinta nos jornais, o assunto já tinha deixado de ser sobre se Sócrates tinha ou não cometido um crime, mas sobre a forma como a Justiça se comporta perante alguém como um primeiro-ministro.

domingo, Novembro 23, 2014

Resolução





terça-feira, Novembro 18, 2014

Grau zero da credibilidade ?



Em 2007 o "escândalo" do Parque Mayer, também muito mediático como este dos vistos gold, derrubou Carmona Rodrigues e abriu caminho a António Costa para a Câmara de Lisboa.
Só em 2014 os tribunais demonstraram que não havia fundamento nas acusações de corrupção e agora é a Braga Parques que exige ao município de Lisboa, e ao mesmo António Costa, uma enorme indemnização para ressarcir os prejuizos sofridos.
Por estas e por outras é que eu desconfio por sistema (do sistema).

segunda-feira, Novembro 17, 2014

Lá vai o Passos Coelho ter que pagar direitos de autor



«A nossa aventura histórica é a de um povo que viveu sempre em bicos dos pés, acima das suas possibilidades reais, esperando tudo de milagres que às vezes aconteciam, de dons sebastiões e de caldos de portaria, a ponto de converter esta existência pícara em segunda natureza. Quando os desastres aconteceram descobriu-lhes logo o antídoto, criando a especialidade lusitana por excelência de transfigurar os alcácer-quibires reais em aljubarrotas fictícias.»
Eduardo Lourenço ao Expresso, 3-5-1975


Lá vai o Passos Coelho ter que pagar direitos de autor

sexta-feira, Novembro 14, 2014

quinta-feira, Novembro 06, 2014

ODIVEL'ARTE

.


É com muito gosto que participo nesta iniciativa
do Centro de Exposições de Odivelas
com quem colabora há já alguns anos

quarta-feira, Outubro 29, 2014

Uma cena que se repete




Já assisti a isto muitas vezes ao longo das últimas décadas.
Uns quantos "famosos" cansam-se de ser radicais e prestam-se a um papel decorativo nas listas do PS. Como se o povo, sem perceber, precisasse da sua clarividência como de pão para a boca.
Metem-se todos num TUK-TUK e, com a ajuda preciosa das televisões, aparecem como uma grande frente unida apesar de não representarem quase ninguém. 
Sendo o PS aquilo que é o enlace durará só até à próxima curva do oportunismo.
Estou farto disto.

http://www.ionline.pt/artigos/portugal/alianca-esquerda-ps-arranca-no-inicio-2015

.

terça-feira, Outubro 28, 2014

Processo Kafkiano




Sobram duas perguntas, encadeadas, que ninguém tem feito:
1. quem instrumentalizou o Ministério Público para tal perseguição?
2. quem saíu beneficiado do derrube golpista do executivo autárquico?

segunda-feira, Outubro 27, 2014

Quem é afinal o pirata ?




A ascensão de Costa na CML iniciou-se, e foi muito ajudada, por acusações de corrupção aos seus adversários (nomeadamente Carmona Rodrigues) que os tribunais vieram agora dizer não terem fundamento (http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=4203660).
Enquanto Costa se instalava confortávelmente no poder autárquico aqueles a quem ele atirou uma bola de lama andaram a penar nos tribunais, durante dez anos, para conseguirem a absolvição.
O Parque Mayer e a antiga Feira Popular continuam baldios e o futuro dirá que outros prejuizos esta golpada do Costa trará à cidade de Lisboa.
Esta gente é perigosa e prepara-se para voltar ao governo.

domingo, Outubro 26, 2014

FALÁCIA

.





aqueles que defendem a antecipação das eleições baseiam-se numa falácia; que a realização do acto eleitoral resolve necessáriamente os problemas do país. Apenas uma birra dos que estão no governo nos separa da redenção.
Isto está implícito na actual campanha mesmo quando não é claramente afirmado. 
Ora é precisamente para proteger o país que a data constitucional das eleições deve ser respeitada.
Para perceber o argumento basta perguntar: o que acontece se o Dr. Costa não tiver maioria absoluta? Quanto tempo demorará a construir uma solução de governo? Então para quê antecipar uma balbúrdia pós-eleitoral, essa sim um grande risco para o país?
Tudo recomenda que se dê mais tempo ao Dr. Costa, já que ele ainda não explicou minimamente como vai "salvar" o país da austeridade e necessita certamente de continuar a estudar os dossiers.
Esse tempo também deveria ser usado por ele para desenvolver os compromissos necessários com outras forças políticas por forma a maximizar a probabilidade de uma maioria sólida em Outubro de 2015.
A utilização, pretensamente isenta, do argumento OE2016, que seria feito por uns e aplicado por outros, constitui mais um apoio encapotado a António Costa já que o problema só existe se a actual coligação fôr substituída.
Sei que haverá quem diga que qualquer coisa é melhor do que aquilo que agora temos, mas eu relembro que foi essa lógica do afogadilho que levou à substituição de Santana Lopes por José Sócrates com os resultados que se conhecem.
Já é tempo de votarmos em projectos em que se acredita em vez de votarmos apenas para varrer o passado recente para debaixo do tapete.

terça-feira, Outubro 21, 2014

A Salvação da Classe Média



Finalmente a Salvação da Classe Média
durante anos os comentadores falaram com ar grave da importância que tem, na economia, a maltratada classe média.
Pois aí têm. 
Esperemos que a economia beneficie e não apenas as pensões de reforma dos próprios comentadores.

Estado de graça ?



Divertida paródia do Alberto Gonçalves, num país onde abunda a retórica do Estado, de que todos se servem, e escasseia o civismo e a verdadeira noção de comunidade.
__________________
Estado de graça?
Conta o DN que a partir de 2015 será proibido "agredir, insultar ou apenas desobedecer a ordens de funcionários das finanças", crime punido com multa ou pena de prisão até cinco anos. A ideia, que confere às referidas criaturas "poderes de autoridade pública", aparece no Orçamento do Estado e, para um leigo, parece sofrer de certa imprecisão. Em que condições as ordens dos funcionários são compulsivas e de que tipo de ordens falamos? A senhora que atende no guiché do IRC tem o direito de, por exemplo, forçar o contribuinte a quinze minutos de zumba? E se sim, só o pode decretar na repartição ou também no meio da rua? Durante o expediente ou mesmo às quatro da madrugada? Espera-se que a discussão na especialidade esclareça estas minudências.Quanto à agressão e aos insultos, confesso-me pasmado. Nunca imaginei que os portugueses, lendários defensores do Estado, social ou outro, levassem tão a mal o pagamento de impostos. Aliás, não acredito que o façam. É do conhecimento geral que raras atividades alegram tanto o cidadão quanto a entrega de metade dos rendimentos ao bem comum, traduzido, eu sei lá, em "projetos de regime", investimentos nas "renováveis", pavilhões "multiusos", apoios "culturais", subsídios a instituições que alertam para o aumento da pobreza e, melhor que tudo, no sustento de uma administração pública que todos apreciamos e que inclui a simpaticíssima rapaziada das finanças. Se alguma vez aconteceu ali palavra menos educada ou estaladão mais firme foi, não duvido, porque o "utente" sentiu que não pagava impostos suficientes, privando-o assim de patrocinar como gostaria a Fundação Mário Soares ou a nova rotunda iluminada em Fânzeres.
O governo está desligado da realidade, é o que é. De resto, por cá a própria realidade está desligada da realidade.

Barómetro

.




O pessoal já não acredita em nada mas, vencido pelo cansaço, quer ao menos mudar as moscas de vez em quando.
Face a estes dados penalizadores para o Executivo Passos-Portas, as pessoas que respondem à sondagem manifestam-se contudo descrentes (54%) na capacidade de qualquer dos outros partidos para fazer melhor.
Apenas 26% dos inquiridos acreditam nas capacidades dos partidos da oposição. Destes, 61% apontam o PS como a melhor alternativa à coligação PSD-CDS. A CDU mereceu 16% e o BE 7%.
De acordo com estes números só pouco mais de 15% (61% de 26%) dos eleitores acreditam que uma vitória do PS resolve alguma coisa.
(Barómetro realizado pela Universidade Católica para a RTP, Antena 1, Jornal de Notícias e Diário de Notícias).

sexta-feira, Outubro 17, 2014

O tom da imprensa de hoje




Contra aquilo que é habitual o governo foi hábil na comunicação do OE2015.
Fê-lo em dois momentos. No primeiro lançou a sobretaxa e pôs a oposição a "morder" no osso da promessa à condição.
No segundo momento, quando a sobretaxa já se estava a tornar chata, lançou as medidas com que pode brilhar: 
1. o desagravamento directo das famílias numerosas 
2. o alívio dos reformados que pagam CES
3. o alargamento do abatimento de despesas familiares no IRS.
4. Devolução aos funcionários públicos de 20% dos cortes (esta já pré-anunciada)
Com esta manobra deixou a oposição sem saber muito bem como contrariar a imagem positiva que os jornais de hoje reflectem.

segunda-feira, Outubro 13, 2014

Um país de navegadores

.



Nem se dignou dar a cara apesar de não querer abandonar o cargo

segunda-feira, Outubro 06, 2014

O novo timoneiro

.



Há uma esquerda feita de seitas messiânicas que segue sempre o mesmo percurso.
Surge para fazer a diferença mas, como o povo ingrato não lhe dá o voto, acaba por se pendurar num sebastião qualquer que vá a passar a caminho de S. Bento.
Mesmo que esse sebastião esteja calejado dos vícios antigos.
Então, para não ter que reconhecer o seu próprio oportunismo, desata a branquear o sebastião em curso. 


.

Taormina 1989-2014



Taormina 1989-2014
25 anos depois da primeira visita tive agora a oportunidade de voltar a Taormina, na Sicília, mais concretamente ao teatro grego que fica no alto da colina.
Está tudo muito diferente; há 25 anos havia muito menos turistas talvez por ter ido em Abril em vez de Setembro.
Em 1989 fotografara com a minha Pentax Spotmatic, usando um rolo de slides. Desta vez fiz uma fotografia digital com uma Nikon D7000.
O vulcão Etna, que em 1989 era bem visível no horizonte em 2004 desapareceu sob as núvens.
A qualidade das fotografias é que não podemos comparar pois foram feitas em condições de luz muito diferentes e de ângulos não totalmente coincidentes.

sábado, Outubro 04, 2014

Siracusa 1989-2014




Siracusa 1989-2014
25 anos depois da primeira visita tive agora a oportunidade de voltar a Siracusa, mais concretamente à ilha adjacente de Ortígia.
Está tudo muito diferente; há 25 anos havia muitos palácios e casas a ameaçar ruína. Por outro lado fui lá em Abril e agora em Setembro.
Entretanto o turismo de massas parece ter descoberto o encanto do local e não só reparou os edifícios como os encheu de hordas de turistas.
Procurei, e encontrei, umas casas ribeirinhas que em 1989 fotografara com a minha Pentax Spotmatic, usando um rolo de slides. Desta vez fiz uma fotografia digital com uma Nikon D7000.
Podemos agora entreter-nos a verificar os efeitos destes últimos 25 anos neste conjunto de casas e no muro.
A qualidade das fotografias é que não podemos comparar pois foram feitas em condições de luz muito diferentes e de ângulos não totalmente coincidentes.

Em 1989 usei uma objectiva 55mm e agora uma zoom 18-200mm.

sexta-feira, Outubro 03, 2014

Serei só eu ?

.



Serei só eu a achar escandaloso que um líder partidário tenha assento num programa semanal de "debate" ?
Mais uma marotice inédita da SIC Notícias.
E nem era preciso pois, para o mesmo efeito, até já lá têm o Pacheco.
Claro que a duas vozes é possível encenar um "debate" em que defendem ambos a mesma coisa. 
São os chamados debates em que não há contraditório pois "se um diz mata o outro diz esfola", especialidade do paradigmático "Eixo do Mal" também na SIC Notícias.

quarta-feira, Setembro 17, 2014

Banqueiros instantâneos

.




Banqueiros instantâneos como os pudins
cozinhados pelo homem que diz odiar o capitalismo de casino

.

O CITIUS


O CITIUS 
foi a sorte grande que saíu ao sistema judiciário. 
Todos os atrasos, inépcias e desleixos, que os portugueses vêm sofrendo há décadas, podem agora ser descarregados no pobre animal.

terça-feira, Setembro 16, 2014

A táctica



Oh Tónio, põe-te a pau com o TóZé. Faz como eu te expliquei. O gajo é meio apatetado mas tem umas transições surpreendentes.

quinta-feira, Setembro 11, 2014

O crescimento "socialista"

O crescimento "socialista"
os candidatos do PS a primeiro ministro fartam-se de falar no crescimento como a panaceia da salvação.
Vale pois a pena ver como o seu camarada Hollande prometeu, e está a falhar, a salvação da França com crescimento económico.
A França acaba até de pedir novo adiamento no prazo que lhe foi dado para endireitar as contas. Uma figura triste.

http://internacional.elpais.com/internacional/2014/09/10/actualidad/1410341421_205941.html

O segundo debate

.



Os debates Costa-Seguro (parece o nome de um barco de cruzeiros) fazem lembrar aquela história de escapar da panela e cair na frigideira.
Costa desembainhou finalmente um bom argumento; as badaladas "80 medidas" propostas por Seguro não passam de um plágio do programa eleitoral do PS de 2009. Seguro ficou atordoado como aqueles boxeurs que são atingidos no maxilar.
O problema é que tal argumento, que faz de seguro um "socratista que não sabe que o é", torna credíveis os que acusam o PS de se preparar para reinstalar o despesismo socrático assim que voltar ao poder.

quarta-feira, Setembro 10, 2014

Magic in Moonlight



Magic in Moonlight
O filme deste ano de Woody Allen constitui uma interessante dissertação acerca do eterno jogo entre realidade (seja isso o que for) e fantasia.
Tal jogo disputa-se nos mais variados tabuleiros incluindo o já famoso "viveracima das suas possibilidades".
O filme insinua, como é usual, que o cepticismo e a recusa do ilusório geram infelicidade. No entanto haverá muito quem argumente que o despojar das expectativas é a único caminho para a verdadeira paz de espírito.

segunda-feira, Setembro 08, 2014

Primárias

.






quinta-feira, Setembro 04, 2014

126 anos de Kodak


Neste dia, há 126 anos, foi registada a patente da primeira Kodak

"The first successful roll film hand camera, the Kodak, was publicly launched in the summer of 1888. Inventor George Eastman received a patent (number 388,850) for the camera’s shutter and the trademark (number 15,825) for the Kodak name on September 4, 1888. The immediate triumph of the camera prompted Eastman to change the name of his company from Eastman Dry Plate and Film Company to Eastman Kodak Company in 1892."
http://eastmanhouse.org/

quarta-feira, Setembro 03, 2014

70.000 (!!!) empresas começaram a emitir facturas




Excelente notícia
70.000 (!!!) empresas começaram a emitir facturas

sábado, Agosto 30, 2014

Os dados e as teorias


Uma arreliadora "interrupção" no aquecimento global, que está a ocorrer desde o início do século XXI, está a levar alguns cientistas a inventar explicações para o fenómeno.
Partilho há muito, sem saber, a fundamentada opinião de João Corte-Real (publicada no Expresso de hoje)