sábado, março 27, 2010

Um país destes com um povo destes



Hoje percorri uma parte do Norte de Portugal. De Vila do Conde a Guimarães onde visitei a Feira de Doces Conventuais no antigo convento das clarissas. Um portento de deliciosa criatividade em pleno centro histórico da "cidade berço", ela própria um doce arquitectónico de alto calibre.
Depois rumei ao Douro, via Penafiel, num país de belíssimas colinas e vinhedos, camélias e magnólias em flor. Por fim empanturrei-me de vitela assada numa vilória qualquer e prestei vassalagem ao fenomenal  e popular vinho verde tinto.   

Então perguntei-me: como é que um país destes, com um povo destes pode estar deprimido e descrente ? que praga de ineptos, que falsa elite tem governado este país ? que cegueira, que mesquinhez conseguiu pôr de joelhos um país com esta vitalidade e  este potencial ?
Não me venham dizer que este acesso de patriotismo e estas perguntas são consequência do vinho verde, que a graduação é baixa.


.

.

9 comentários:

Anónimo disse...

Ao menos mencionava o nome da vilória, o povo merece isso!...

F. Penim Redondo disse...

O sítio ficava algures entre Parada e Irivo.

Rogério Pereira disse...

Fernando, este povo ainda vai dar que falar. Não sei se está deprimido e descrente... Pelo menos não será assim que o vou descrever no argumento que vou desenvolver a pedido do Kelvin Costner...

Manuel Vilarinho Pires disse...

Mas o Alvarinho tem graduação de vinho maduro.
Vai mais para o Norte, mesmo para o vale do Minho, vai de Caminha a Melgaço, e vais ver como elas te cantam...
Depois pode sempre increver-te no Holmes Place...

Manuel Vilarinho Pires disse...

Agora, meu caro Fernando, se estiveres disponível para renegar o anti-clericismo dos comunas, sou capaz de te explicar como encontras um convento aonde as freiras te atendem por detrás de uma rede que não te permite ver-lhes o rosto, e te vendem uns biscoitos de amêndoa ou uma tarte de amêndoa e ovos que te vai fazer trocar as vistas e, talvez, as convicções religiosas...

F. Penim Redondo disse...

Meu caro Manuel, tenho participado regularmente dessas liturgias e posso garantir-te que sou muito devoto.

Manuel Vilarinho Pires disse...

Com essas garantias não te posso deixar de aconselhar uma romaria a Tuy, ao convento que fica poucos metros por detrás da catedral, não me lembro do nome do convento, mas perguntas pelas "monxas" e qualquer pessoa te explica aonde fica.
Mas se fores para essa zona avisa-me antes, que há por lá muitas romarias e procissões imperdíveis...
E olha que o Alvarinho tem graduação de vinho maduro!

F. Penim Redondo disse...

Fica para a próxima investida a Norte. Pedirei então gostosamente o teu conselho, Manuel.

Manuel Vilarinho Pires disse...

Um conselho posso-te dar desde já...
Se ao passares por Valença estiveres adoentado, faz como eles: vai ao centro de saúde de Tuy!
E depois podes dar o tal pulinho às Monxas.

;-)