domingo, março 21, 2010

Para estragar o seu Domingo

.
A evidência histórica confirma que há uma correlação muito forte entre crises bancárias e bancarrotas de países afectados, quer no caso de países ricos como emergentes. As crises bancárias em geral precedem as crises de dívida soberana — aliás, ajudam a predizê-las, afirma o professor de Economia Kenneth Rogoff, da Universidade de Harvard, que tem trabalhado com Carmen Reinhart, da Universidade de Maryland, na história económica e financeira dos últimos 200 anos.
...
O problema estrutural reside no peso da dívida externa total (pública e privada) que atingiu rácios superiores a 100% em relação à riqueza criada anualmente (produto interno bruto, PIB) em diversos países ricos, com destaque para os europeus. Há os casos extremos da Irlanda e da Islândia, nos 1000% do PIB, seguidos do Reino Unido (413%), Holanda (310%), Bélgica (293%) e Suíça (273%). Portugal (230%) encontra-se em 8º lugar, neste clube de risco dos 20 países desenvolvidos com maior dívida externa total em relação ao PIB.
A “bomba ao retardador”, de que a revista “Time” falava há 25 anos, “deslocou-se” geograficamente dos países em desenvolvimento para os ricos. Nos anos 1980, quatro países da América Latina — Argentina, Brasil, México e Venezuela — concentravam metade da dívida externa mundial. Hoje esse lugar é ocupado por três países ricos: Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha. Os EUA passaram, desde 1985, a ser o principal tomador de empréstimos internacionais e apenas sete países da União Europeia — Reino Unido, Alemanha, França, Holanda, Espanha, Irlanda e Bélgica — detêm hoje mais de 50% da dívida total mundial. Os quatro países latino-americanos referidos representam, agora, apenas, 1% da dívida mundial.
O caso grego (apesar de ter uma dívida total em percentagem do PIB inferior aos 13 primeiros) despoletou-se, subitamente, em virtude da perda de confiança nas estatísticas oficiais que haviam ‘maquilhado’ a dívida externa (que ‘baixou’ 72% entre 2007 e 2008!) bem como o défice público durante o governo anterior. Perda de confiança que foi aproveitada pelos especuladores para um ataque à zona euro. Mas qualquer fagulha, inesperada, sublinha Rogoff, poderá incendiar este panorama estrutural no seio dos ricos. Com uma agravante: em caso de recaída na recessão mundial, a margem de manobra para políticas anticrise nestes países desenvolvidos será muito “mais curta” do que em 2007-2009, diz o economista francês Philippe Trainar.
Extracto do artigo "O risco de bancarrota nos países ricos",  Expresso Economia 20.03.2010 
 
Caminhamos, de surpresa em surpresa, com a leve sensação de pisar a tampa de um vulcão. Medina Carreira afinal é um optimista.
Lamento ter-lhe estragado o Domingo mas também eu, imprudentemente, li isto logo ao pequeno almoço.
.

5 comentários:

Rogério Pereira disse...

Fernando, peguei neste teu post e levei-o ao Marx, que como sabes é, um infoescluído. Queria o seu parecer, para eu não parecer mal aqui. Sabes a resposta? Disse-me ele: "Esse gajo (tu) já me estragou a semana com aquela do google e agora vem com outra? Mas espera, isso vem no Expresso? Fico mais descansado, fica tu (eu) também". Mais não disse. Vou reler seus escritos, se calhar já tinha dado a resposta...

F. Penim Redondo disse...

Rogério, o Marx está-se borrifando pois, estando morto e bem morto, tanto se lhe dá como se lhe deu.
Nós que estamos vivos (por enquanto) é que nos lixamos...

Eu telefonei ao Marx e ele disse-me "Estou farto de aturar fulanos que, por tudo e por nada, me vêm perguntar o que eu acho. Porra, já é tempo de puxarem pela sua própria cabeça em vez de estarem à espera que eu resolva tudo".
Vê lá tu a pinta do gajo...

Anónimo disse...

Um vulcão entrou hoje em erupção no Sul da Islândia, forçando mais de 500 pessoas a abandonar a zona, anunciaram as autoridades.

Cá está

Rogério Pereira disse...

Tá morto? Tens a certeza, mesmo depois de falares com ele? Bem, morto ou vivo, tanto faz. Vou reler seus escritos, se calhar já tinha dado a resposta ao que está a acontecer, até com a vulcanologia lá da Islândia...

F. Penim Redondo disse...

Rogério,
relativamente às tuas leituras aconselho-te também a Bíblia.
Um amigo meu, que é testemunha de Jeová, disse-me que na Bíblia vem uma descrição detalhada da crise actual. Desta crise e de todas as outras.