segunda-feira, janeiro 26, 2009

O mata moscas russo

.


.
.
Hoje, no noticiário das 20 horas da RTP1, tive uma revelação: o mata moscas russo.
Orlando Lopes da Cunha, presidente da ANIVEC – Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção, falava sobre os graves problemas que afectam o sector e sobre as medidas urgentes que importa tomar para o salvar.
A propósito dos rigores do fisco, para ilustrar os exageros com que procede, comparou-o ao mata moscas russo que, segundo ele, teria sido adoptado após a última guerra mundial.
E explicou como era: "o mata moscas russo descia do tecto e matava realmente a mosca mas, continuado a sua marcha, arrebentava com a mesa e desfazia todos os que nela se sentavam".
Temos que reconhecer que era assustador, além de pouco prático. Como é que depois de tantos anos de militância política eu nunca tinha ouvido falar do mata moscas russo ?
As coisas que se aprendem quando se vê o Telejornal...
.

7 comentários:

Luís Bonifácio disse...

O "Mata-moscas" russo é uma metáfora sobre a estratégia militar de ataque russa (nada a ver com URSS), que sempre primou pela táctica de rolo compressor, usando um número excessivo de meios militares, desde equipamento a homens.

Exemplo se o IN está no ponto A, então para garantir a vitória arrasa-se o ponto A e tudo à volta num raio de x Km, independentemento do que lá estiver.

Esta é a estratégia militar de ataque russa (a de defesa é o General Inverno) e não muda desde Ivan IV.
Por isso não há nada de ideológico no Mata-Mosacas Russo.

F. Penim Redondo disse...

Só não percebo aquela história de descer do tecto e arrebentar com a mesa e com os comensais.
Também é uma estratégia russa ?

A Presença das Formigas disse...

Obrigado ao Bonifácio. Eu também ouvi o senhor no telejornal e fiquei assim a modos que banzado.
E obrigado ao Penim por postar a sua perplexidade, que possibilitou o esclarecimento.

Jorge Nascimento Fernandes disse...

Desta vez fizeste-me rir. Gostei deste post

F. Penim Redondo disse...

Caro Jorge,

só por isso já ganhei o dia.

Luís Bonifácio disse...

Essa do descer do tecto, já deve ser um ponto acrescentado. Quando a ouvi, os danos colaterais limitavam-se à mesa partida.

Orlando etc Lopes da Cunha disse...

Eu sou o Orlando etc Lopes da Cunha. Só agora vi o comentário. É evidente que se tratava de uma metáfora que retirei de um "cartoon" da época, mas a que acho graça.Não tem conotações políticas nenhumas.Nós os industriais, seja qual for o ramo, estamos fartos de ser o bode espiatório da "inteligentsia" de serviço. Portugal está a pontos de deixar de ser um País industrializado para ser uma Nação "comercializada". Cada vez haverá mais desemprego e toda a Europa estará, em breve, para a China, como a África está para a Europa agora.Pós-modernices...