sábado, fevereiro 07, 2009

Uma opinião contra a corrente

.


...
Será possível eliminar as crises do capitalismo ou controlá-las de forma cirúrgica? Têm os governos capacidade de o fazer de forma duradoura? É possível remediar agora e apressadamente, sem originar outras crises que se vão abater no médio e longo prazos sobre esta ou próxima gerações? A parte boa da crise é o lento desabar de muros ideológicos extremados e fixados no tempo. Nasce uma abertura à esquerda e à direita para procurar soluções que vão deixar de pertencer a famílias políticas.
Por muito que nos embarace, a actual organização política e económica dos Estados, governos e instituições dos países ditos livres foi e será incapaz de controlar os acontecimentos económicos e financeiros, neste modelo de economia globalizada e interdependente do planeta. Os planos e orçamentos vão sofrer rectificações e revisões sucessivas. Ninguém sozinho ou acompanhado terá o dom de antecipar e controlar o motor económico e financeiro. A planificação estatal e governamental nos moldes actuais tem os seus dias contados.
Países, governos, instituições, pessoas e empresas dependerão cada vez mais uns dos outros, qualquer que seja a forma como definimos os "outros". Devemos assistir ao nascimento da flexibilização e adaptação como política central. A sociedade civil, com todas as suas imperfeições, fundada nas nossas incapacidades e insuficiências na nossa qualidade como cidadãos, trabalhadores, consumidores, investidores e aforradores, ver-se-á mais uma vez confrontada consigo própria e com as suas decisões. Estas têm um preço que temos que viver e suportar: a prosperidade (real ou aparente) dos últimos anos, mas também a crise dos próximos. Devemos fazê-lo sem onerar as próximas gerações.
No meio desta turbulência, era bom aceitarmos que não há Governo que nos salve no longo prazo de uma doença que nós próprios criámos com as nossas decisões individuais e colectivas. Dependeremos para o nosso progresso cada vez mais do contínuo desenvolvimento das nossas capacidades e do nosso esforço. E não foi sempre assim?
Jorge Marrão, Público 06.02.2009
Uma opinião contra a corrente...que será olimpicamente ignorada.
.

2 comentários:

ABRIL DE NOVO disse...

De facto uma opinião inteligente e contra-corrente. No fim desta crise, os ricos recuperam e ficarão, certamente, mais ricos, e vão à sua vidinha com apoio do Estado. Para os grandes capitalista, milhões; para os outros, tostões!
Do blogue achei-o interessantíssimo, que se visita com pleno agrado, a merecer mais e muitas visitas pela sua grande qualidade.

F. Penim Redondo disse...

Obrigado. Volte sempre.