sábado, fevereiro 07, 2009

Electrodomésticos de vanguarda

.
.
.
.
..

.
A China lançou o programa piloto de subsídios aos agricultores para que comprem marcas designadas de televisões a cores, geladeiras e telefones móveis nas três províncias agrícolas de Shandong, Henan e Sichuan, assim como na cidade de Qingdao, de dezembro de 2007 a maio de 2008. No total, o projeto inclui 197 tipos de aparelhos eletrodomésticos.
Os preços foram determinados no máximo 2 mil yuans para televisão a cores, 2,5 mil yuans para geladeira e mil yuans para celular. O subsídio de 13% foi dividido de modo que o governo central cubra 80% e os governos locais, os 20% restantes. Cada família rural poderia comprar dois artigos de cada categoria e receber o incentivo nas agências de finanças de seu próprio governo local em 15 dias úteis.
CRI online, 05.02.2009

Uma medida com antecedentes em Gondomar. No entanto, pese embora a sua extensão, é menos espectacular por surgir desfasada de qualquer campanha eleitoral.
.

1 comentário:

Correio da Manhã disse...

A China destronou os Estados Unidos da América como o maior mercado de automóveis do Mundo. "É a primeira vez na História que a China ultrapassa os EUA nas vendas mensais de automóveis", revelou Mike Digiovanni, um director da General Motors, citado na edição desta sexta-feira do jornal ‘China Daily’.


De acordo com as contas do maior fabricante automóvel norte-americano, a China vendeu cerca de 790 mil veículos em Janeiro, enquanto nos EUA as vendas rondaram os 657 mil, registando uma quebra de 37 por cento em relação a igual período de 2007 e o valor mais baixo dos últimos 26 anos.

As vendas de automóveis na China também recuaram em Janeiro deste ano, mas apenas 8 por cento, sendo que Mike Digiovanni prevê que em 2009 o número de veículos vendidos neste país venha a atingir os 10,7 milhões, cerca de um milhão mais do que nos EUA.

Um analista consultado pelo jornal ‘China Daily’ considerou prematuro concluir que a China se tornou no maior mercado automóvel do Mundo, mas concordou que o país "é definitivamente o único grande com forte potencial". Só em Pequim, circulam cerca de 3,5 milhões de automóveis, quase o triplo de há dez anos.