domingo, fevereiro 08, 2009

A ideologia irrompe onde parece mais improvável

.

Os relatórios meteorológicos, tal como os media os traduzem e difundem, estão longe de ser elementos de informação neutra. Pelo contrário , são peças carregadas de ideologia. Orientados pelo pelo ponto de vista do indivíduo urbano que aspira ao lazer e acha que os astros devem rodar à medida de um hedonismo climático que o padrão turístico tornou universal, "bom tempo" significa sempre sol e calor, e "mau tempo" é sempre chuva e frio.
Pode não chover há três meses, estarmos em pleno Inverno, mas a previsão de que no dia seguinte não há nuvens merece sempre um louvor ao "bom tempo"; podem as barragens estar vazias e os campos secos, mas o anúncio de que irá chover é sempre notícia de "mau tempo".
Neste mundo climatizado dos boletins meteorológicos permeáveis à ideologia, já ninguém sabe viver com as variações extremas do tempo, e é por isso necessária a acção da protecção civil sempre que chove com mais abundância ou caem uns flocos de neve.
A protecção civil parece uma mãe zelosa que vigia e recolhe as suas crises irresponsáveis e indefesas.
Para ela, todos os cidadãos são crianças que podem precipitar-se numa poça de água ou sair para a neve como se fossem para a praia. Faça o tempo que fizer, há sempre uma instância estatal que cuida de nós, trata da nossa saúde e nos protege dos elementos.
E a isto se reduz hoje a esfera política.
António Guerreiro, Expresso 07.02.2009
.

2 comentários:

rui disse...

«à três meses»?? (também os erros ortográficos irrompem onde parecem mais improváveis)

F. Penim Redondo disse...

Obrigado rui, já corrigi essa e outras gralhas de transcrição.
O autor do texto não tem culpa dos erros de quem transcreveu.