sexta-feira, novembro 14, 2008

Avaliar o estado da nossa democracia ?

.

Comecei a trabalhar para uma empresa americana, líder mundial no seu ramo, no ano de 1970. Já nessa época, há 38 anos portanto, a referida empresa praticava um sistema de avaliação anual dos seus empregados em todo o mundo, que a certo ponto eram mais de trezentos mil. 

Enquanto empregado avaliado, e enquanto membro da Comissão de Trabalhadores muitas vezes chamado a aconselhar e a defender outros trabalhadores, convivi durante muitos anos com o complexo sistema de avaliação cujas vantagens e defeitos conhecia profundamente. 

As regras do sistema eram basicamente estas: 

- Todos os empregados eram avaliados pelo respectivo chefe que, no início de cada ano, lhes propunha, discutia e atribuía objectivos a cumprir, quantitativos e qualitativos.

- O chefe tinha obrigação de fazer reuniões de aconselhamento se e quando verificasse que o desempenho do subordinado era insatisfatório.

- No fim de cada ano fazia-se uma reunião em que o chefe explicava ao subordinado a classificação atribuída em cada um dos objectivos estabelecidos.

- O empregado avaliado podia, em caso de discordância, apresentar recurso da classificação para o chefe do chefe e, se isso o não satisfizesse, para toda a hierarquia até ao quartel-general da empresa nos Estados Unidos. Estes recursos produziram a reversão das classificações em número apreciável de casos.

- A classificação, de 1 a 5, era um dos parâmetros principais na determinação do aumento do vencimento e de eventual promoção.

- A classificação de 5, a pior de todas, quando reiterada era considerada suficiente para desencadear os mecanismos tendentes ao despedimento.

- O sistema era regido por um extenso “código” publicado.

 

Este sistema de avaliação, que durante muitos anos produziu bons resultados apesar dos erros e injustiças pontuais, claudicou quando cessou uma condição básica de funcionamento; a empresa deixou de ter recursos para poder premiar os bons desempenhos através dos aumentos anuais e das promoções por mérito. 

Perante toda a agitação actual à volta da “avaliação dos professores” fico perplexo com vários aspectos: 

1.      Alguém acredita que é possível implantar um sistema de avaliação condicionado à “autorização” de quem vai ser avaliado ?

2.      Alguém acredita que é possível desenhar um sistema de avaliação que contemple as opiniões de vários milhares de sujeitos passivos da avaliação ?

3.      Alguém acredita que funcione uma avaliação em que o avaliador não seja, simultâneamente, quem supervisiona o trabalho e quem propõe os aumentos da remuneração ?

4.      Alguém acredita que é possível obter resultados de um sistema de avaliação em que as pessoas não saibam à partida, claramente, quais são os prémios e os castigos ?

5.      Alguém acredita que é possível implantar um sistema de avaliação sem um grande esforço administrativo e de formação ?

6.      Alguém acredita que um sistema de avaliação pode ser imune à subjectividade de quem avalia ?

7.      Alguém acredita que um sistema deste tipo é menos exigente para quem avalia do que para quem é avaliado ? 


Aquilo a que estamos a assistir é um gravíssimo atentado ao regime democrático.

Um governo legítimo embora pusilânime, fazendo uso das suas competências, estabelece regras que são espezinhadas impunemente por parte de uma classe profissional que usa a escola pública como refém. 

O sistema de ensino, que devia estar ao serviço de toda a população, que devia ser determinado pelo bem comum, é abusivamente condicionado no seu funcionamente por meros interesses corporativos que se entrelaçam com manobras de oposição política. 

Infelizmente este é apenas mais um caso ilustrativo da lógica e da força das “classes corporativas” no nosso país.

P.S. (15:45) Têm-se sucedido os lamentáveis episódios em que os alunos se divertem a arremessar ovos à ministra. Os sindicatos tentam demarcar-se dessas acções mas penso que terão muita dificuldade em o conseguir.

8 comentários:

Mister Simon disse...

esta eu assino por baixo

j simoes

(quis comentar como der terrorist, mas não fui autorizado?! diz-me que o url tem caractéres irregulares?!?)

Mister Simon disse...

esta eu assino por baixo

j simoes

(quis comentar como der terrorist, mas não fui autorizado?! diz-me que o url tem caractéres irregulares?!?)

F. Penim Redondo disse...

O "Der Terrorist" é um nome amaldiçoado...

fernandes disse...

Embora seja essencialmente um mero observador da situação portuguesa, a partir de Bruxelas, não posso deixar de concordar totalmente com o texto.
Cumprimentos

Eduardo Lapa disse...

Eu não assino, e vou tentar regressar e explicar porquê.
Entretanto ver:
Cavaco só aponta o dedo aos miúdos

Eduardo Lapa disse...

Cá estou de volta. O que começou como resposta, evoluiu para post, e está aqui:
Falemos de avaliação, falemos de educação.

Joana Lopes disse...

Fernando,

Há vários dias que estou para aqui vir, mas tem passado.

Tendo vivido a mesma experiência, não é de estranhar que esteja de acordo praticamente com tudo o que dizes. Sinto-me num país de dinossáurios.

Mas há um MAS no meio desta palhaçada nacional que vai obrigar-me a escrever um post, eu que ainda não o fiz por pura preguiça. Mas tem de ser - lá mais para a tarde.

Abraço

F. Penim Redondo disse...

Sabes Joana eu escrevi isto porque tenho-me apercebido de que a maior parte das pessoas começa por não perceber o que é e para que serve um sistema de avaliação.

Depois é claro que os equívocos se sucedem.