domingo, novembro 13, 2011

O que é que nós não estamos a perceber?



Alguma coisa está a falhar na grelha de análise que habitualmente aplicamos aos acontecimentos internacionais quando Berlusconi se transforma num símbolo da democracia em perigo. 
Não era ele que tinha sido eleito através da escandalosa manipulação dos media e escapado à justiça por via de sucessivas golpadas? 
Se é o "capitalismo internacional" o promotor do referido entorse à democracia na Itália, como na Grécia, é caso para perguntar se Berlusconi, e mesmo Papandreou, não são lídimos expoentes desse mesmo capitalismo.
Como se tudo isto não bastasse temos também os bancos portugueses a acusar o governo mais "neo-liberal" de todos os tempos de querer nacionalizá-los.
O que é que nós não estamos a perceber?

1 comentário:

Rogério Pereira disse...

Várias coisas não se percebem... Mas que importa? Não é pecado lesa democracia passar em branco sobre alguns factos. Sinceramente, estou mais preocupado com os amigos do que com os ilusionistas...

Democracia em perigo? Que perigo é incorrido sobre um morto morrido?
Nunca se deve acusar o proprietário de usar bem a propriedade adquirida. Por isso não percebo essa da manipulação... Não é uma inerência do capitalismo ser, quem detém o capital, aquele que deve mandar?

Entorse à democracia? Qual é a razão da preocupação sobre a postura de um morto?

A banca geme? Nacionalizações?
Deixa, ninguém vai perceber essa guerra, escusas de te interrogar... eles entendem-se bem, só estão um pouco confusos...