sexta-feira, maio 06, 2011

Sondagens

.



O país acordou sobressaltado com o anúncio das sondagens que dão a maioria dos votos ao engenheiro José Sócrates.


Hipótese 1
Trata-se de um cenário apocalíptico.
O partido vencedor das eleições não teria uma maioria clara e seria chefiado por um homem em que os outros partidos não confiam minimamente para fazer alianças.
Mas não são só os partidos que não confiam. Os 64% de portugueses que não estão enfeitiçados por Sócrates também estão fartos de aturar a sua incompetência e desfaçatez. 

Como é que se pode mobilizá-los desta forma para superar a crise?


Hipótese 2
O povo resolveu castigar o Sócrates obrigando-o a governar na próxima legislatura. 
É que o próximo governo constitui um empreendimento sem glória; se falhar é crucificado, se tiver sucesso toda a gente dirá que o mérito foi do FMI.


.

5 comentários:

Rogério Pereira disse...

Hipótese 3

No meio de tanto nevoeiro, irão aparecer não um mas dois reis sebastiões. Não em consequência de votações mas por imperativo dos credores, donos do reino (para desfazer qq outra hipótese de reinação...)

jod disse...

Estou a ficar seriamente preocupado. Costuma dizer-se que o povo tem sempre razão, mas será que este povo é .... estúpido?

F. Penim Redondo disse...

Caro Jorge, eu acredito que o povo tem sempre razão. Só que umas vezes eu percebo logo e outras só ao fim de uns anos.

Fernando Torres disse...

3.Hipótese - O engenheiro incompleto constituiu uma Parceria Público-Privada com uma empresa especializada em sondagens de opinião.

Anónimo disse...

Acho que se o ingenheiro ganhar vamos passar momentos muito atribulados.

Se contar-mos com cerca de 50% de abstenção, mais cerca de 300 mil jovens, já com consciência política, mas ainda sem direito a voto, vemos que mais de 85% da população não apoia o ingenheiro.

Corro o risco de dizer mais: cerca de 9 milhoes de portugueses acham que o ingenheiro é mentiroso, corrupto, ladrão, troca tintas, mafioso, incompetente, ect, etc. Ou seja não têm contra ele uma questão só política, mas sim de caracter.

Isto em minha opinião iria acabar muito mal...