quarta-feira, abril 22, 2020

A Memória das Prateleiras (3/n) - A Festa do Avante





A Memória das Prateleiras (3/n)
A Festa do Avante
Mais uma volta e dei com a colecção dos programas da Festa do Avante, Cuidadosamente guardados desde 1976, quando teve lugar na velha FIL, na Junqueira.
Não é fácil explicar nos dias de hoje o que sentia um militante naquele tempo. Entrar na "Festa", na única que podia ser designada com esta solitária palavra, era entrar numa catedral.
Para muitos, como eu, era também entrar numa obra produzida com as próprias mãos.
Durante alguns anos cheguei a "meter férias" para poder participar da construção, no tempo em que tal era ainda muito artesanal. Havia nisso um toque de aventura, desbravar o terreno (literalmente) e poder depois dizer: aquele mastro fui eu que o ergui.
Passei lá muitas noites, em claro, montando guarda aos materiais não se desse alguma investida da reacção.
Na minha empresa vendia bilhetes (EPs) às dúzias e os colegas de trabalho, classe média confortável, davam-me os parabéns no dia seguinte, Curtiam a "Festa".
A minha perda do entusiasmo militante coincidiu com a mudança para o local permanente na Quinta da Atalaia, no Seixal. Deixei de lá ir durante vários anos.
Voltei lá em 2018, com a neta Rafaela pela mão.
Aqui e ali dava de caras com certas caras que me tinham sido familiares nos anos 70 e 80. Uns acenos, por vezes abraços, e um hiato enorme pelo meio.
Lá comemos umas febras, ou uma feijoada, nos indescritíveis restaurantes da "Festa", e marchámos para o palco principal a ver os Gaiteiros de Lisboa.
A iconografia parece parada no tempo mas na "cidade internacional" os stands dos países, e dos "partidos irmãos" sofreram grandes solavancos. A sombra tutelar da gigantesca URSS paira ainda por cima de tudo, mas existe apenas nas memórias dos milhares de visitantes.
Felizmente Cuba, com o seu tabaco e o seu rum, é uma alegria que tudo compensa.
Famílias inteiras mantêm a "Festa" viva, numa espécie de milagre.
À espera da festa definitiva, a do socialismo que tarda em chegar.

Sem comentários: